Províncias

IDA garante boa campanha agrícola

Nicodemos Paulo | Uíge

O director provincial do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), Mbemba Mata, garantiu sábado que a província do Uíge prevê realizar uma boa campanha agrícola 2009-2010, tendo em conta o volume de trabalho desenvolvido pelos agricultores da região.

O director provincial do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), Mbemba Mata, garantiu sábado que a província do Uíge prevê realizar uma boa campanha agrícola 2009-2010, tendo em conta o volume de trabalho desenvolvido pelos agricultores da região.
Segundo o director do IDA, a instituição que dirige distribuiu meios de trabalho aos camponeses da região, no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR). Constam dos bens catanas, enxadas e limas, além de sementes de feijão, milho, arroz, amendoim, batatas doce e rena, mandioca e hortícolas.
O responsável do IDA no Uíge destacou também o apoio técnico dado aos agricultores da região, facto que tem contribuído positivamente para o crescimento das empresas agrícolas familiares.
“Os camponeses receberam meios de trabalho suficientes para poderem desenvolver o trabalho e realizarem uma boa campanha agrícola. Aliás, é nossa missão potenciar as empresas agrícolas familiares, bem como as grandes cooperativas, para que a actividade agrícola seja, de facto, proveitosa”, disse.
Mbemba Mata referiu que, durante a presente campanha agrícola, já foram lavrados cerca de 164.357 hectares na província, trabalho feito manualmente por falta de máquinas.
O director provincial do IDA manifestou-se ainda satisfeito pelos níveis de produção alcançados pela cooperativa agrícola do Lucelua, no município de Sanza Pombo. Esta associação está a produzir arroz, milho e feijão manteiga, em grande escala, prevendo-se que, num futuro breve, a mesma venha a exportar estes produtos, por serem de muito boa qualidade, salientou.
Centro de preparação de sementes No município do Uíge, segundo Mbemba Mata, foi instalado um centro de preparação de sementes para a substituição das culturas sensíveis ao ataque de viroses. O estabelecimento tem sido bastante útil na preparação de várias espécies de produtos precoces.
O director provincial do IDA considerou a falta de financiamento aos camponeses para a mecanização agrícola em grande escala e o mau estado das vias de acesso como os principais entraves no desenvolvimento agrícola da província. “Ainda assim, creio que o futuro é promissor”, rematou.

Tempo

Multimédia