Províncias

Infra-estruturas mudam a imagem do município

António Capitão | Mucaba

O município de Mucaba, província do Uíge, dispõe de novas infra-estruturas sociais, inauguradas segunda-feira, no âmbito das comemorações do 43º aniversário da localidade, assinalado a 1 de Setembro.

Várias infra-estruturas de impacto social no Uíge estão a ser reabilitadas e construídas para melhorar a qualidade de vida da população
Fotografia: João Gomes

Na aldeia Gitala, o vice-governador provincial para o Sector Técnico e Infra-estruturas, Afonso Luviluco, inaugurou uma escola de quatro salas, construída no âmbito do Programa Municipal de Combate à Fome e à Pobreza.
A infra-estrutura escolar vai permitir que pelo menos 280 alunos, entre crianças e jovens, estudem em melhores condições de acomodação e os professores colocados na localidade trabalhem com menores dificuldades.
Com o surgimento da instituição, as autoridades locais pretendem garantir o desenvolvimento do processo de ensino e de aprendizagem, redução do número de crianças sem escolas e assegurar a erradicação do analfabetismo na região.
A entrada em funcionamento da escola vai acabar ainda com as grandes dificuldades que as crianças e jovens da localidade enfrentavam, como estudar em salas de aula improvisadas, debaixo de árvores e em outros espaços, onde ficavam expostos ao sol e à chuva.
O menino Ricardo Jorge, em nome de outras crianças, salientou que as aulas ao relento e em bancos de lata passam a fazer parte da história, uma vez que a nova escola, construída de raiz, tem carteiras e quadros apropriados para facilitar a aprendizagem.
O aluno apelou as autoridades administrativas a envidarem esforços para que sejam construídas mais escolas noutras localidades, uma vez que ainda existem crianças a estudar em péssimas condições de aprendizagem.
Na aldeia Lutanda, cerca de 11 quilómetros da vila de Mucaba, o vice-governador Afonso Luviluco inaugurou o posto de saúde, com um consultório médico, duas salas de internamento para cinco camas, farmácia e casas de banho. O soba do Lutanda, Manuel Bunga, disse que a unidade sanitária vai facilitar a vida dos habitantes da localidade que tinham de se deslocar à vila de Mucaba em busca de assistência sanitária.
A autoridade tradicional acredita que, com a abertura do posto de saúde na aldeia, a mortalidade vai diminuir significativamente, uma vez que as pessoas podem ser socorridas em tempo oportuno.
“Estamos todos felizes e agradecemos os esforços empreendidos pelas entidades gestoras do município na implementação de vários projectos e políticas que visam melhorar as condições sociais das populações”, disse o soba.

Ponte sobre o Nzadi

Ainda em alusão aos festejos dos 43 anos da vila de Mucaba, o vice-governador para o sector técnico e infra-estruturas inaugurou a ponte sobre o rio Nzadi, uma infra-estrutura de 13 metros de comprimento e seis de largura.
A ponte vai facilitar a circulação rodoviária entre a sede municipal do Mucaba e as aldeias de Quinzala Capuri e de Quitamba I, até ao município do Bungo.
Construída em 43 dias, por uma empresa angolana, a ponte de betão custou aos cofres do Estado seis milhões de kwanzas, e pode suportar entre 50 e 80 toneladas.
Afonso Luviluco disse que a infra-estrutura surge da necessidade de facilitar a circulação rodoviária nas referidas localidades e permitir um melhor escoamento dos produtos agrícolas do campo para a cidade.
O vice-governador garantiu que o surgimento da ponte vai criar condições para que mais obras sociais, com destaque para escolas, unidades sanitárias, sistemas de abastecimento de água e de energia eléctrica, sejam levadas a cabo. “É uma infra-estrutura que fazia muita falta às populações desta região que circulavam de um lado para outro apenas através de motorizadas e transportavam os seus bens na cabeça”, disse o responsável.
O vice-governador adiantou que pela primeira vez uma ponte é construída sobre o rio Nzadi, daí que os utentes devem cuidar bem da infra-estrutura para que as próximas gerações possam também beneficiar da mesma.
Afonso Luviluco exortou os munícipes de Mucaba à unidade, solidariedade, trabalho e maior preservação da paz, enfatizando que todo o processo de reconstrução nacional e de desenvolvimento do país depende da estabilidade política, militar e económica.

Combate à pobreza

A administradora municipal de Mucaba disse que, no âmbito do Programa Municipal de Combate à Fome e à Pobreza, foram construídas na região várias infra-estruturas socioeconómicas e implementados projectos de impacto social que têm contribuído para a melhoria das condições de vida dos habitantes locais.
No município de Mucaba, que dista 70 quilómetros da sede da província do Uíge, nos últimos 11 anos foram construídas várias escolas, unidades sanitárias, mercados, alargada a rede de distribuição de energia eléctrica e construídos sistemas de abastecimento de água, além de reabilitadas as vias de acesso.
Para este ano, segundo o administrador, ainda estão em construção outras infra-estruturas de impacto social, com destaque para cinco escolas nas aldeias Quitamba, Kinzala Novo, Gitala e Quiosso e na sede comunal do Wando, além da reabilitação de vários postos de saúde.
Além das inaugurações, as festas dos 43 anos de elevação do Mucaba à categoria de vila, ficaram marcadas pela realização de um culto ecuménico, actividades culturais e desportivas e de uma feira agro-pecuária.

O município por dentro

A administradora municipal do Mucaba, Piedade Hebo Benze, esclareceu que Mucaba foi elevada à categoria de vila no dia 1 de Setembro de 1971, através do decreto nº 4.143/1973 do Governo Colonial Português.
O nome “Mucaba”, explica a administradora, provém do rio Nkaba, que na língua local (quicongo), significa cinto de segurança. O rio Nkaba localiza-se na aldeia Kinzala Velho, há oito quilómetros da vila de Mucaba, tendo Piedade Benze destacado as potencialidades económicas, sociais e culturais do município.
A população local é maioritariamente camponesa e produz café, banana, feijão, jinguba, batatas doce e rena, inhame, hortícolas, cana-de-açúcar, assim como se dedica à exploração de inertes, como areia e pedras.

Tempo

Multimédia