Províncias

Instituto instala biblioteca electrónica

Joaquim Júnior | Negage Estácio Camassete | Huambo

O Instituto Médio de Teologia “Bispo Emílio de Carvalho”, afecto à Igreja Metodista, no Negage, Uíge, conta  com uma biblioteca virtual, instalada no âmbito de um acordo  entre a Junta Geral do Ensino Superior da agremiação religiosa e a   instituição académica.

O projecto foi apresentado na cidade do Negage pelo representante da Junta Geral do Ensino Superior da Igreja Metodista
Fotografia: Filipe Botelho

A referida biblioteca é uma tecnologia de leitores electrónicos (e-readers), desenvolvida nos Estados Unidos, com capacidade para armazenar mil exemplares de livros em formato PDF.
A vice-governadora para o sector Político e Social, Maria Fernandes da Silva, disse que a biblioteca electrónica  facilita os pesquisadores teológicos a encontrarem um conjunto de soluções imediatas nas suas investigações, pois possuiu uma série de catálogos em toda a rede para que os utilizadores, em qualquer parte da província,  pesquisem e obtenham os recursos bibliográficos necessários.
“A criação de centros de pesquisa e investigação  mitiga  a carência   neste domínio, e por isso são bem-vindos os esforços da Igreja Metodista Unida para contribuir para que os jovens estudantes   terem uma formação completa e criem o hábito pela leitura.”
Maria da Silva apelou aos jovens do Município do Negage, com acesso directo aos equipamentos, para cuidarem bem dos meios tecnológicos postos à sua disposição, para  poderem   servir a Igreja Metodista e a comunidade.
O representante da Junta Geral do Ensino Superior da Igreja Metodista, Adriano Quelende  fez a apresentação do projecto e disse que a instituição religiosa possui várias escolas de teologia em África, que carecem de material didáctico.
O reitor do Instituto Médio de Teologia do Negage “Bispo Emílio de Carvalho”, Tulukisi Anseline, explicou que a instituição funciona na Província do Uíge desde Março deste ano.

Ensino especial no Huambo

Professores de 32 escolas do ensino primário e do I ciclo, na província do Huambo, são formados em técnicas de ensino especial, com vista a minimizar as dificuldades na educação de pessoas com deficiências. O  curso é promovido pelo Governo da Província do Huambo e decorre no Centro de Recursos de Inclusão, antiga escola do ensino especial do Planalto Central.
O director do Centro de Recursos de Inclusão do Huambo, Justo Fernandes, disse que este curso tem por objectivo oferecer mais instrumentos de trabalho aos técnicos que sempre trabalharam com os alunos com necessidades especiais, em matérias ligadas ao  alfabeto gestual, à interpretação do alfabeto braille, à linguagem básica, e ao manuseamento dos meios de ensino e  sua conservação.
Justo Fernandes realçou que muitas escolas do primeiro nível e do I ciclo  estão a receber alunos com deficiências, daí a necessidade de se formarem mais quadros no sector.
A escola do ensino especial funciona este ano lectivo com 450 alunos do ensino primário ao II ciclo, ensinados por 36 professores.
“O processo de inclusão de alunos decorre sem  sobressaltos, está a ser implementado nas escolas primárias e do I ciclo e com esse projecto há condições para receber todas as crianças que necessitam de educação especial e que não se adaptam ao processo de ensino geral”, esclareceu Justo Fernandes.
O aproveitamento da escola no último ano lectivo é considerado positivo pelo responsável da Educação , que sublinhou que o  sucesso  conta  com a colaboração dos pais e encarregados de educação.

Tempo

Multimédia