Províncias

Kimpa Vita aposta na criação de mais núcleos

Valter Gomes | Uíge

A Universidade Kimpa Vita (UNIKIVI) estabeleceu acordos de cooperação com as administrações municipais de Sanza Pombo, Negage, Damba, Maquela do Zombo e Ambuíla, para a criação de núcleos universitários, na perspectiva de facilitar a formação dos jovens que residem naquelas localidades.

Quadros formados na Universidade Kimpa Vita estão a ser enquadrados com facilidade em direcções provinciais dos ministérios
Fotografia: Euníce Suzana | Uíge

A Universidade Kimpa Vita (UNIKIVI) estabeleceu acordos de cooperação com as administrações municipais de Sanza Pombo, Negage, Damba, Maquela do Zombo e Ambuíla, para a criação de núcleos universitários, na perspectiva de facilitar a formação dos jovens que residem naquelas localidades.
O pró-reitor para a área de cooperação da instituição, Mbunga Nzinga David, que prestou a informação, avançou que, antes mesmo da criação dos núcleos, a universidade vem atribuindo, para cada município, quotas nas vagas de acesso às faculdades afectas à Universidade Kimpa Vita.
Depois da criação dos núcleos universitários nos diversos municípios, a instituição vai também necessitar de terrenos adequados e férteis para facilitar a realização de aulas práticas para os estudantes que frequentam o curso de agronomia. “Não basta a formação teórica, é também necessária a prática como base do desenvolvimento da tecnologia”, disse.
Mbunga Nzinga acrescentou que a universidade necessita de mais infra-estruturas para que seja possível a inserção de mais cursos de graduação, pós-graduação e outros que consolidem a preparação profissional dos quadros.
O responsável sublinhou que a Universidade Kimpa Vita foi implantada em duas fases. A primeira começou a partir de 2005 até 2009, período em que foram implementados os    primeiros cursos de ­Contabilidade e Gestão e de Sistemas Informáticos, na Escola Superior de Ciências e Tecnologia, que funcionava nas instalações do então Centro Universitário do Uíge.
Nesta fase, foram lançados para o mercado de emprego 927 bacharéis, formados naquelas áreas.
O pró-reitor disse que a segunda fase, iniciada em 2009, permitiu a abertura total da Universidade Kimpa Vita, com uma Escola Superior Politécnica e a Faculdade de Direito, constituindo, assim, a Sétima Região Académica, que abarca também a província do Kwanza-Norte.
Na segunda fase, disse o responsável universitário, foram implementados novos cursos, como os de Agronomia, Enfermagem e Direito.

Mais cursos

Mbunga Nzinga disse que a Universidade Kimpa Vita está apostada na criação de novos cursos para melhorar e diversificar a formação superior na região, para que os jovens possam corresponder condignamente às necessidades do Executivo.
O pró-reitor avançou que, através da Faculdade de Direito, a Universidade Kimpa Vita aposta não só na formação de quadros nas áreas jurídicas, mas também na introdução da cultura de justiça social e de direito humano na província.
No presente ano lectivo, salientou, foram matriculados nas duas unidades orgânicas da Universidade Kimpa Vita 3.449 estudantes. Mbunga Nzinga acrescentou que os quadros formados na Universidade Kimpa Vita estão a ser enquadrados com facilidade nos diversos Ministérios, ocupando vários cargos na administração pública e empresas privadas da província, sobretudo nos sectores da economia, educação, bem como nas novas tecnologias de informação e comunicação.
As empresas locais, disse, recorrem actualmente aos quadros formados na UNIKIVI nas áreas de Contabilidade e Gestão e de Informática, por serem capazes de aplicar bem as novas tecnologias de trabalho, informação e comunicação, que são as ferramentas de êxito das empresas na era de globalização que o país também está a viver.

Novas empresas

O pró-reitor da UNIKIVI afirmou que a formação e a disponibilização de jovens devidamente formados facilita a implantação de novas empresas na província. 
“Hoje, os bancos e empresas consideram a província do Uíge como um mercado de trabalho que lhes proporciona uma vantagem competitiva na produção de bens e serviços de boa qualidade, no que toca à expansão das agências bancárias em municípios como Quitexe, Negage, Maquela do Zombo, Sanza Pombo e outros.
“Com a abertura da UNIKIVI, o Uíge está a registar grandes iniciativas na criação de micro e pequenas empresas por parte dos estudantes e outros já formados, facto que está a contribuir para a criação de empregos e para a redução do desemprego”, disse.

Tempo

Multimédia