Províncias

Kimpa Vita forma quadros administrativos

António Capitão| Uíge

Quadros e gestores públicos vão ser formados em cursos presenciais e não presenciais de níveis de especialização, pós-graduação e mestrado, na Universidade Kimpa Vita, no âmbito de um protocolo de cooperação assinado na segunda-feira com o Instituto de Formação da Administração Local (IFAL).

Acordo atribui competências à Universidade para assegurar a orientação metodológica e ciêntífica dos cursos e proceder ao alinhamento
Fotografia: Jornal de Angola

O protocolo, que estabelece a formação nas unidades orgânicas da 7ª Região Académica, foi rubricado pelo director-geral adjunto do IFAL, Albano Carlos, e pelo pró-reitor para a cooperação da universidade, M­bunga Nzinga David, uma cerimónia presenciada pelo ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa, e pelo governador do Uíge, Paulo Pombolo.
O documento define os termos e condições gerais de cooperação entre as duas instituições, com vista ao intercâmbio institucional, complementaridade e parceira no âmbito da formação de nível superior dos técnicos, quadros e dirigentes da administração local e autarquias.
O objectivo é promover iniciativas curriculares conjuntas no domínio do Direito, Gestão Autárquica, Gestão e Administração Pública, Recursos Humanos, Desenvolvimento Económico local e em formação transversal, cuja orientação metodológica e científica é da responsabilidade da Kimpa Vita.
O protocolo tem a duração de três anos renováveis, desde que não haja posição contrária entre as partes, competindo ao IFAL assegurar a articulação entre a universidade, governos províncias, unidades urbanas e administrações municipais, sobre o planeamento das actividades formativas e de pesquisa de campo.
A instituição deve também coordenar o processo de formação, logística e gestão administrativa dos cursos, padronizar os guiões e instrumentos orientadores, como manuais e material de formação.
O acordo atribui competências à Universidade Kimpa Vita para assegurar a orientação metodológica e científica dos cursos, proceder ao alinhamento dos conteúdos programáticos e temáticos das acções de formação do IFAL, coordenar o processo de gestão de docentes e promover acções de investigação e pesquisa. Albano Carlos disse que a parceria entre as duas instituições visa criar um plano conjunto de formação de técnicos, quadros e a­gentes da administração local do Estado e autárquicas da referida região académica.
O IFAL fica com a responsabilidade de assegurar a formação de mais de 80 por cento do total de funcionários da administração pública no país, em seguimento com a formação profissional, ensino médio e superior.
“Para definição de um plano de formação de nível superior destinado aos servidores públicos em todas as regiões académicas, o IFAL pretende estabelecer esta parceria, que para além da reciprocidade vantajosa, abarca um duplo reconhecimento académico e profissional, visto que os cursos vão ter uma dupla certificação”. O professor Mbunga Nzinga David também considerou oportuna e vantajosa a decisão do IFAL em cooperar com a Universidade Kimpa Vita para a formação dos quadros da administração local.
“A Universidade Kimpa Vita congratula-se com a decisão do IFAL e prometemos conduzir este ciclo formativo com toda a cientificidade, rigor e responsabilidade”, disse, para realçar que a maior parte dos cursos propostos pelo parceiro já existem nos seus planos curriculares e os docentes têm as competências necessárias para passar conhecimentos sólidos aos formandos.

Tempo

Multimédia