Províncias

Má qualidade da gasolina é motivo de reclamações

Valter Gomes | Uíge

Automobilistas e outros usuários das bombas de combustível da província do Uíge reclamam pela falta de qualidade da gasolina comercializada, nos últimos tempos, por alguns postos de abastecimentos.

Motoristas e proprietários de geradores afirmaram que a gasolina comercializada em vários postos está a criar muitos problemas
Fotografia: Mavitidi Mulaza|Uíge

Motoristas e proprietários de geradores questionam a qualidade da gasolina, principalmente dos postos da Pumangol, afirmando que o produto está a criar muitos embaraços aos motores das viaturas e dos aparelhos geradores de energia.
“Basta abastecer num desses postos para sentir o motor da viatura a trabalhar aos soluços. O meu carro apresentou problemas para arrancar e o motivo era a gasolina que não prestava”, disse o automobilista Ilídio Baltazar.
O automobilista referiu que foi obrigado a remover todo o combustível do depósito e adquirir gasolina de uma bomba da Sonangol, para que a viatura correspondesse bem.
O taxista Matondo David também foi vítima da má qualidade da gasolina comercializada pela Pumangol. “Muita gente reclama mas infelizmente ninguém faz nada”, rematou.
Para Óscar Joaquim, a situação é preocupante, visto que se arrasta desde o início do ano. “Já perdi uma viatura por causa desse problema, pois todas as vezes que abastecesse o carro soluçava e depois de percorrer alguns quilómetros perdia a pressão.” Por fim, o carro parou, disse.
Ricardo André, um automobilista que percorre diariamente cerca de 70 quilómetros entre Mucaba e Uíge, acredita que o problema está nos reservatórios dos postos de abastecimento, uma vez que a gasolina que chega à província é provavelmente a mesma comercializada em Luanda e noutros pontos do país.
Por isso, apela para que os gestores dos postos procurem especialistas para testarem a qualidade da gasolina que está a ser comercializada, para se corrigir a situação o mais rápido possível.
O munícipe Saldanha Zacarias avançou que já dirigiu várias reclamações aos gestores das bombas de combustível sobre a qualidade do produto, mas estes dizem que fazem manutenção dos reservatórios e testagem do combustível todos os dias. “Nos primeiros dias, pensávamos que o problema estivesse apenas nos postos de abastecimento da Pumangol, mas actualmente a situação regista-se também nas bombas da Sonangol. A gasolina já não é boa”, disse o taxista da rota Uíge/Negage/Bungo. />David Camuiaca, motociclista há cinco anos, disse que a sua motorizada já não desenvolve como antes, depois de abastecê-la numa bomba da Sonangol. “Quando me desloquei do Uíge para o Negage, quase fiquei a meio do percurso. Tive de fazer uma manutenção urgente, removendo a gasolina e encontrar outra de um posto do Negage.”
Depois de poucos dias, a cambota da motorizada danificou-se.  “Quando troquei por outra, descobri na antiga um pouco de água misturada com lodo. Os mecânicos disseram que se tratava de uma consequência da gasolina que usei nos últimos dias”, revelou.
Filomena Arnaldo, proprietária de um estabelecimento comercial no bairro Ana Candande, viu o gerador avariar dezenas de vezes, em função da gasolina que usa ultimamente. “O motor está quase sempre a produzir muito fumo e a soluçar como se tivesse problemas nas velas”, esclareceu.

A voz dos mecânicos

O mecânico Pedro Alexandre, proprietário de uma oficina na rua do Café, na cidade do Uíge, confirmou a recepção no seu estabelecimento de inúmeras viaturas, cujas avarias são provocadas por situações relacionadas com o combustível.
“Temos constatado que a gasolina está a vir misturada com gasóleo e um outro líquido, o que está a provocar danos nos segmentos, retentores, vedantes e outros acessórios dos motores a gasolina”, confirma.
Em função disso, muitas viaturas apresentam anomalias, disse.
Esta situação foi confirmada por Dombele Paulo, mecânico duma oficina na rua Industrial, que recebeu mais de 30 viaturas durante a semana passada.
O mecânico referiu que a maioria das viaturas apresentava avarias nos injectores, retentores, vedantes e na bomba eléctrica, devido à má qualidade do combustível, que aparece misturado com água, óleo e outras substâncias que causam danos aos carros.
O Jornal de Angola visitou diversos postos de combustível da Sonangol e da Pumangol, na cidade do Uíge e do Negage, mas os gestores recusaram-se a falar sobre o assunto, por alegada falta de autorização.

Tempo

Multimédia