Províncias

Maquela do Zombo com mais água potável

Nicodemos Paulo | Maquela do Zombo

A construção de um centro de captação, tratamento e distribuição de água em Maquela do Zombo, cujas obras estão em fase avançada de execução, vai permitir que mais de 65 mil habitantes da vila deixem de recorrer aos rios e cacimbas, disse o administrador Benji Moco Henriques.

Vários sistemas de captação e distribuição de água potável à população têm sido reabilitados e construídos pelo Governo
Fotografia: Jornal de Angola

A instalação do novo sistema de distribuição de água está enquadrada no Programa de Combate à Pobreza. Benji Moco Henriques disse que neste momento decorrem os trabalhos de instalação das condutas da rede domiciliária e vão ser feitas 500 ligações domiciliárias e construídos 20 fontanários para beneficiar mais de 65 mil habitantes.
“No período colonial havia aqui um sistema de abastecimento de água que foi destruído durante a guerra logo após a Independência Nacional. De lá para cá a população de Maquela do Zombo ficou privada de água potável”, afirmou.
Benji Henriques informou que projectos semelhantes estão a ser executados nas comunas e regedorias do município, através da instalação de furos artesianos, para que a população deixe de percorrer grandes distâncias à procura de água. Quanto à energia eléctrica proveniente da barragem de Capanda, o administrador municipal garantiu que está em curso um estudo para a distribuição da corrente eléctrica às principais comunidades vizinhas da vila e a colocação do tapete asfáltico nas principais artérias de Maquela do Zombo.
Benji Moco Henriques informou que os projectos vão ser executados no princípio do próximo ano e quando concluídos vão melhorar as condições de vida dos munícipes. Ainda no próximo ano, acrescentou o administrador municipal de Maquela do Zombo, está previsto o arranque das obras de construção de um novo hospital.
“O município tem 500 mil habitantes, mas não possui estruturas sanitárias capazes de responder ao elevado número de pessoas que procuram assistência médica e medicamentosa”, disse, acrescentando que “isso provoca a saída dos munícipes para a vizinha República Democrática do Congo em busca de melhores serviços de assistência médica”.
O administrador revelou que o município tem boas perspectivas de desenvolvimento, uma vez que estão em curso projectos integrados e de desenvolvimento rural, que passam pela construção de um entreposto aduaneiro, escolas e unidades de saúde nos grandes centros de concentração populacional.
Estão também previstas, para o próximo ano acções de melhoramento dos serviços aduaneiros e da Polícia de Guarda Fronteira, para controlar o fluxo migratório, urbanizar a actividade comercial e fomentar a agricultura. Benji Moco Henriques salientou que a realização dos projectos vai atrair mais investimentos e catapultar o desenvolvimento de Maquela do Zombo, melhorando o nível de vida das famílias.

Tempo

Multimédia