Províncias

Milhares de crianças estudam em condições precárias

António Capitão | Uíge

Mais de 37 mil crianças continuam a estudar em condições precárias, em salas improvisadas nas igrejas ou debaixo de árvores, na Província do Uíge, por falta de infra-estruturas escolares adequadas, uma situação que preocupa o Governo local.

Número de salas de aulas em construção é insuficiente para solucionar o défice devido ao crescimento da população estudantil
Fotografia: Mavitidi Mulaza | Uíge

Com vista a inverter o quadro, no ano passado começou a construção de várias escolas, num total de 230 salas de aulas, a serem concluídas no mês de Junho. A par destas, em Fevereiro último começaram igualmente as obras de outras 130 salas, com conclusão prevista para Setembro.
Estas obras foram visitadas pelo governador provincial do Uíge, Paulo Pombolo, visando constatar o andamento da construção das salas. O dirigente provincial aproveitou para colocar a primeira pedra para a construção de outras infra-estruturas escolares no município do Uíge.
Paulo Pombolo disse que o aumento de salas de aulas, para absorvem um maior número de crianças ainda sem estudar ou em condições precárias e ao relento, é uma das grandes prioridades do governo provincial, no âmbito das acções do Programa de Investimento Público (PIP), para este ano.
O governador provincial referiu que a medida visa erguer estabelecimentos escolares para o ensino primário, primeiro e segundo ciclos do ensino secundário, o que vai permitir a inclusão de mais de 11.000 novos alunos no próximo ano lectivo.
O governante reconheceu que o número de salas de aulas em construção é insuficiente para solucionar o défice existente de salas de aulas, tendo em conta o crescimento de crianças em idade escolar, superior ao de escolas construídas anualmente. No Bairro Papelão, Paulo Pombolo colocou o primeiro bloco na construção de um complexo escolar com 24 salas de aulas, para substituir a antiga infra-estrutura de construção prefabricada, de seis salas, destruída por um incêndio, no ano passado. A nova escola vai acolher ainda crianças que estudavam debaixo de árvores no átrio da Igreja Messiânica.
O governador provincial foi ainda ao Bairro Mongualhema, onde visitou as obras de construção de uma escola com 24 salas e outra com 12, além de um centro de saúde, o primeiro serviço sanitário naquela localidade. No Bairro Mbemba Ngango, o responsável constatou a construção de uma escola com18 salas de aulas e colocou a primeira pedra na construção de outras 24 salas, que ficam prontas no segundo e terceiro trimestres deste ano. Paulo Pombolo visitou igualmente as obras de um centro médico e uma escola com 12 salas, no Bairro Quilala. Além destas, muitas outras infra-estruturas para os sectores da Educação e da Saúde estão em curso nos bairros Dunga, Tange, Pedreira e Papelão.  Com vista a aumentar a capacidade de fornecimento de energia à cidade do Uíge e aos bairros periféricos, decorrem actualmente trabalhos de montagem de novos equipamentos na subestação eléctrica local. Paulo Pombolo revelou que está a ser instalado um novo transformador que vai permitir elevar a capacidade de produção da Empresa Nacional de Electricidade (ENE) de 25 megawatts para mais de 40 megawatts. Este equipamento vai sustentar a conexão de mais 9.000 novas ligações domiciliárias e o reforço da rede de iluminação pública. “Dentro de 90 dias, os bairros Papelão, Caquiúia, Quilala, Catapa, Tange e outros da zona suburbana vão passar a ter energia eléctrica e iluminação nas ruas, o que vai melhorar as suas condições de vida”, referiu o governador Paulo Pombolo.
No sector das águas, o governador provincial disse estar em curso a construção de uma nova rede de distribuição, com mais de 120 quilómetros, para substituir a antiga conexão implantada no período colonial e que se encontra totalmente obsoleta, apresentando roturas em vários pontos e dificultando o fornecimento qualitativo do produto.
 
Gesto da Tecnovia
 
No quadro das suas responsabilidades sociais, a construtora angolana Tecnovia, que reabilitou e ampliou o aeroporto “Manuel Quarta Punza”, juntou-se aos esforços do governo local para a melhoria das condições de ensino e aprendizagem para os alunos da escola primária do Bairro Dunga.
Empenhada na educação de crianças e jovens, a Tecnovia distribuiu esta semana um total de 180 kits escolares com material fundamental para os estudos dos alunos, e 44 outros com 40 bolas.
A distribuição dos bens, que foi dirigida pelo governador Paulo Pombolo, visou fornecer mochilas e material didáctico a crianças cujos pais têm poucos meios financeiros.
O responsável da empresa, no Uíge, Luís Calheiro, disse que o gesto faz parte das obrigações sociais da empreiteira, dai que todos os anos escolha uma escola em cada província do país para distribuir estes equipamentos.
“Para além de estarmos preocupados com a rentabilização da nossa empresa e do seu crescimento, nós preocupamo-nos também com alguns problemas sociais da comunidade, onde a educação é a nossa maior aposta para direccionarmos os apoios”, concluiu o responsável da empresa, Luís Calheiro.

Tempo

Multimédia