Províncias

Ministrados cursos profissionais a milhares de jovens na província

Joaquim Júnior | Uíge

O Centro de Formação Profissional 1º de Maio, na cidade do Uíge, do Instituto Nacional do Emprego e Formação Profissional, formou, desde a sua fundação, em 1995, mais de três mil profissionais.

Jovens satisfeitos com o ciclo de formação
Fotografia: Filipe Botelho

O Centro de Formação Profissional 1º de Maio, na cidade do Uíge, do Instituto Nacional do Emprego e Formação Profissional, formou, desde a sua fundação, em 1995, mais de três mil profissionais.
Os jovens formados nas áreas de Informática, Canalização, Electricidade, Corte e Costura, Decoração, Culinária, Serralharia e Carpintaria foram submetidos a um método de aprendizagem profissional e moral que os ajudou a compreender melhor as questões sobre o “amor patriótico” e “disciplina laboral”.
“Os centros de formação profissional tornaram-se numa verdadeira academia de reabilitação completa do homem”, afirmou o director dos serviços provinciais do INEFOP no Uíge, Alexandre Betuel Nicolau, durante uma visita efectuada à instituição por um grupo de militantes da JMPLA, no âmbito das jornadas comemorativas dos 37 anos de Independência Nacional.
No município do Uíge, disse, estão matriculados 444 formandos que nesta fase de avaliação final revelam um índice de aproveitamento aceitável. Nas unidades itinerantes instaladas nos municípios do Bembe, Damba, Cangola, Negage e Uíge mais de 700 finalistas frequentam cursos de formação profissional. “Em todos os estabelecimentos de ensino ou de formação profissional, na sua generalidade, o processo de ensino não pode ser apenas aquele que administra o saber”, disse o responsável.
Além disso, referiu, deve também acarretar outros componentes, como a sensibilização, porque viemos de um período menos bom da nossa vida e, “certamente, os espíritos andam muito extraviados, daí que muitos jovens violam constantemente as leis da vida, o civismo, o respeito e a disciplina”.
Quanto à inserção dos jovens no mercado do emprego, Alexandre Betuel avançou que no final de cada ciclo formativo a instituição que dirige canaliza uma lista com os nomes dos formandos com bom aproveitamento para os centros de emprego.
O secretário provincial para informação da JMPLA na província do Uíge, Pedro Januário, disse que a organização juvenil do MPLA vai continuar a trabalhar na mobilização dos jovens, a fim de aderirem cada vez mais à formação profissional, contribuindo desta forma para o desenvolvimento sustentado do país.

Tempo

Multimédia