Províncias

O município está aberto ao investimento privado

Gabriel Bunga |

O administrador municipal dos Buengas, Augusto Bunga Kifuti, apela aos empresários a investirem naquele município com o objectivo de reduzir as dificuldades que a população enfrenta.

Uma zona urbanizada do município dos Buengas que está com nova imagem e apostado no desenvolvimento sócio-económico
Fotografia: Filipe Botelho | Uíge

O administrador municipal dos Buengas, Augusto Bunga Kifuti, apela aos empresários a investirem naquele município com o objectivo de reduzir as dificuldades que a população enfrenta.
Augusto Bunga Kifuti fez esta declaração ao Jornal de Angola à margem do lançamento da campanha de actualização do registo eleitoral que decorreu na cidade do Uíge, na sexta-feira passada.
O município, localizado a nordeste da província do Uíge, fica a 250 quilómetros da capital provincial. É limitado a Norte por Maquela do Zombo, Quimbele a Nordeste, Milunga a leste, Sanza Pombo a Sul e Damba a Oeste.
O município está encravado no meio de dois grandes rios, o Cuilo e o Buenga. Tem as comunas Buenga Norte, comuna sede, Buenga Sul e a comuna do Cuilo Camboso, que fica a norte. O município tem uma população estimada em 75.785 habitantes.
De acordo com o administrador Augusto Bunga Kifuti. O município tem muitos recursos naturais e enormes potencialidades agrícolas e agropecuárias, que os empresários podem explorar
“Temos acompanhado aqueles que fazem estudos de prospecção dos recursos e eles garantem que nos Buengas existem diamantes”, disse Augusto Bunga Kifuti, acrescentado que para além do sector minério os empresários podem produzir café, madeira, mandioca, banana e ginguba: “nós não temos agentes comerciais com capacidade financeira suficiente para movimentarem o comércio no município”, disse. Augusto Bunga Kifuti salientou que a principal dificuldade que o município enfrenta é a falta de estradas. A partir do município de Sanza Pombo até aos Buengas a estrada não é asfaltada asfalto: “os miúdos do município não conhecem asfalto e o escoamento dos produtos é feito com muitas dificuldades pelos pequenos comerciantes”.
O administrador disse que Buengas é o município da província que mais dificuldades enfrenta em todos os sectores. Na Educação tem 81 escolas e 440 professores. “A maior parte dos alunos estuda em baixo de árvores ou nas escolas construídas de pau a pique”, disse. 
O município tem escolas do ensino primário, primeiro e segundo ciclos do ensino secundário. O ensino superior não existe. No âmbito do Gabinete Técnico o município teve direito à construção de 17 escolas. Ficou de fora a do Cuilo Camboso, devido às más condições da estrada: “naquela altura na comuna do Cuilo Camboso a ponto sobre o rio Fixe ainda não estava construída, por isso só construímos as novas escolas, com 148 salas, na sede municipal e Buenga Sul, mas falta o mobiliário”, disse Augusto Kifuti.
Actualmente, a atenção da administração municipal está virada para a comuna do Cuilo Camboso e construiu uma nova escola de seis salas, um posto de saúde e a casa do administrador.
“É uma comuna virgem, a administração colonial não deixou nada”, disse.
No sector da saúde, disse que o município só tem um hospital municipal que funciona com muitas dificuldades e um centro de saúde na comuna do Buenga Sul.

Energia e Água

O município dos Buengas está entre dois grandes rios. O administrador Augusto Kifuti disse que os empresários podem aproveitar estes recursos naturais com barragens e sistemas de captação de água para abastecer todo o município. “Nos Buengas a energia e água estão muito longe.
A população continua a consumir água não potável. A própria comuna sede e as aldeias estão longe de ter energia eléctrica”, disse acrescentando que na sede do município só existem geradores.
Os munícipes dos Buengas estão cada vem vez mais isolados do resto do país. No município não existem serviços de telefonia móvel. Facto que também o administrador apontou como uma das potenciais área que os empreendedores podem aproveitar para investir.
“Nos Buengas só está ligado ao mundo quem tiver dinheiro paracomprar uma antena parabólica e um gerador. A Angola Telecom tem o serviço Liga-Liga” disse, sublinhado que uma ligação custa entre 150 a 700 kwanzas.
O administrador tem um telemóvel, mas só faz uso do aparelho quando vai à cidade do Uíge: “a população está ansiosa em receber a da Movicel e a Unitel”, disse.
O Augusto Kifuti reclama para o seu município agências bancárias. O município não tem nenhum banco, nem privado nem estatal.
 O administrador disse que para os professores que trabalham no município para abrirem as suas contas bancárias têm de percorrer 250 quilómetros até à cidade do Uíge. “Peço a todos os quadros nacionais e estrangeiros que venham ao nosso município.
Estamos abertos para receber toda a gente porque em todas as áreas nós precisamos de quadros”, disse Augusto Bunga Kifuti.

Tempo

Multimédia