Províncias

População aderiu às consultas médicas gratuitas

Joaquim Júnior| Uíge

Centenas de homens, mulheres e crianças aderiram às consultas médicas gratuitas e aos testes voluntários de VIH/Sida, efectuados durante a realização da Feira da Saúde, que decorreu no município do Dange Quitexe, na província do Uíge.

Centenas de pessoas do município de Dange Quitexe tiveram a oportunidade de serem consultadas durante a Feira da
Fotografia: Eunice Suzana | Uíge

A actividade, promovida pela Direcção Municipal da Saúde, em colaboração com a Administração Municipal, no âmbito dos 102 anos da elevação da circunscrição à categoria de vila, assinalado a 23 de Agosto último, visou incentivar os habitantes locais a procurarem regularmente os serviços de saúde disponíveis no município.
“Muitos não controlam o seu estado serológico por negligência, por isso aproveitamos a feira para sensibilizar os munícipes sobre a importância de procurarem os serviços de saúde sempre que necessário”, disse Kuavita Gabriel, director municipal da Saúde. 
Durante três dias, foram realizadas consultas gerais, medição da tensão arterial, análise de glicemia, administração de vacinas, testagem voluntária de VIH/Sida, consultas pré-natais, distribuição de mosquiteiros tratados com insecticida e preservativos para homens e mulheres.
Kuavita Gabriel avançou que, de Janeiro a Agosto deste ano, foram registados quatro casos positivos de Sida, além de dezenas de outros de gravidezes precoces, que preocupam as autoridades sanitárias locais, que não poupam esforços na sensibilização dos jovens.
“Os técnicos de saúde reprodutiva realizam com alguma regularidade trabalhos de sensibilização e mobilização dos jovens sobre as medidas de prevenção e riscos da gravidez precoce, VIH/Sida e outras Doenças de Transmissão Sexual (DTS)”, garantiu.  Segundo o responsável da saúde no Dange Quitexe, a educação sobre o saneamento básico e uso constante do mosquiteiro é outra das tarefas que estão a ser desenvolvidas no interior das comunidades para combater a malária na região.
A rede sanitária da localidade é composta por quatro centros de saúde, um na sede municipal e três nas comunas da Aldeia Viçosa, Vista Alegre e Cambamba, além de 12 postos médicos, instalados nas regedorias e aldeias. O sector controla 42 enfermeiros e dois médicos.
Carlitos Carlos, coordenador da medicina tradicional no Dange Quitexe, sublinhou haver evolução no uso de raízes e plantas medicinais para combater várias doenças hereditárias e infecciosas, porque os terapeutas que actuam no município participam com alguma regularidade em várias acções de formação.
“À medida em que vamos tendo certeza que as plantas medicinais que utilizamos no tratamento de várias doenças são as mesmas utilizadas nos países industrializados como matéria-prima para o fabrico de medicamentos modernos, as pessoas valorizam cada vez mais este tipo de serviços”, considerou.
A coordenação da medicina tradicional controla 100 membros, 70 mulheres e 30 homens, que colocaram em exposição na Feira da Saúde diversos medicamentos utilizados no tratamento de dores de barriga, impotência sexual, hemorróides, hepatite e outras enfermidades. “Os pacientes que mais solicitam os medicamentos tradicionais são os portadores de trombose, diarreia aguda e sarampo”, disse o terapeuta tradicional.

Camponesas em formação

Os líderes das associações camponesas do município do Dange Quitexe receberam conhecimentos técnicos que os vão ajudar a melhorar a produção agrícola na região.
A chefe da Estação de Desenvolvimento Agrário da localidade, Lídia Regina, disse que, no segundo trimestre deste ano, foram capacitados cinco jovens que aprenderam a combater as pragas, a adubar e a preparar os campos de multiplicação de estacas melhoradas de mandioqueiras resistentes à virose. A responsável avançou que o projecto visa potenciar os camponeses da região com ferramentas que vão possibilitar a identificação dos terrenos férteis e o tipo de plantas recomendáveis para o efeito, podendo com isso melhorar os níveis de produção no município, onde as culturas da banana, mandioca, ginguba, feijão, batata-doce e rena, inhame e outras horticulturas são as mais predominantes.
O sector agrário no município controla 35 associações camponesas e duas cooperativas agrícolas. Para o presente ano agrícola foram preparados cerca de 200 hectares. A previsão da colheita estima-se em 75 toneladas de produtos diversos, como a mandioca, banana e o abacaxi. 

Preço do café sobe

A chefe da Estação de Desenvolvimento Agrário da localidade, Lídia Regina, disse que o quilograma de café bruto está a ser comercializado a 60 kwanzas e o comercial no valor de 120 kwanzas.
“No passado o bruto custava 40 kwanzas e o comercial 100 kwanzas. A subida de preços está a incentivar os agricultores a apostarem na revitalização dos campos ou fazendas agrícolas”, disse.
Lídia Regina avançou que, desde o início do ano até ao momento, já foram colhidas mais de 15 toneladas de café mabuba. “Este ano a previsão aponta para mais de 20 toneladas do produto”, disse Lídia Regina.
Com 3.872 quilómetros quadrados e uma população estimada em 47.877 habitantes, Dange Quitexe subdivide-se em três comunas - Aldeia Viçosa, Vista A­legre e Cambamba.

Tempo

Multimédia