Províncias

População em zonas de risco é realojada

Nicodemos Paulo | Uíge

Mais de mil lotes de terreno estão a ser preparados pela Administração Municipal do Uíge para serem distribuídos à população que vive actualmente em zonas de risco, anunciou, ontem, o administrador local.

Altamiro Benjamim referiu que está para breve o reinício do processo de distribuição de lotes de terrenos, no quadro do programa do Executivo de autoconstrução dirigida.
O administrador disse que a Administração Municipal do Uíge apoia as populações das localidades de Catumbo e Calumbo, que viram as suas casas ficar sem tecto, em consequência das fortes chuvas que caíram, há dias, sobre a região.
Neste momento, acrescentou Altamiro Benjamim, a Administração Municipal está a entregar chapas de zinco, roupas e utensílios domésticos  e leva a efeito campanhas de aconselhamento para  as populações deixarem de construir em zonas menos seguras.
Altamiro Benjamim ressaltou que  situações desagradáveis, como as que acontecem em muitas partes da província e do município, em particular, podiam ter sido evitadas se a população respeitasse as orientações das autoridades.
O responsável administrativo adiantou que, para a melhoria da circulação de viaturas e evitar inundações em alguns bairros, estão a ser desassoreados os esgotos e as valas de drenagem na cidade e bairros periféricos. Lamentou o facto de as populações colocarem lixo nas sarjetas e levantarem paredes em qualquer lugar, impedindo a passagem das águas, o que provoca sérios constrangimentos durante a época chuvosa. />Além destas acções da Administração Municipal do Uíge, a Comissão Provincial de Protecção Civil trabalha na identificação e na sensibilização das pessoas que vivem em zonas de risco. A coordenadora provincial adjunta da Comissão Provincial de Protecção Civil, Maria da Silva e Silva, salientou que o objectivo é fazer com que as pessoas aceitem ser transferidos para áreas mais seguras e beneficiem do  apoio material das administrações locais.
Maria da Silva e Silva, vice-governadora para o sector Político e Social do Uíge, referiu, por outro lado,  que o sector da Saúde desenvolve acções de sensibilização nas comunidades, para evitar o surgimento de surtos de cólera, paludismo, doenças diarreicas, entre outras, devido à época chuvosa.
Referiu que  as administrações municipais estão a melhorar os mecanismos de acompanhamento e de fiscalização das obras que se realizam um pouco por todo o lado, para que as valas de drenagem não sejam obstruídas. A coordenadora adjunta da Comissão de Protecção Civil reconhece que o sucesso da operação vai depender, em parte, da colaboração da própria população, por ser o elemento fundamental para a redução significativa do número de vítimas por calamidades naturais no futuro.

Tempo

Multimédia