Províncias

Professores faltosos são castigados

Valter Gomes | Songo

O director da Repartição Municipal da Educação do Songo, Uíge, anunciou que 29 professores colocados no município correm o risco de serem expulsos da função pública por ausência constante do local de trabalho.

Nos últimos anos o sector da Educação no município conheceu melhorias significativas fruto do aumento do número de salas de aulas
Fotografia: Manuel Destinto | Uíge

Armando Jorge revelou que os professores que comprometem o sistema normal de ensino estão identificados e vão ser notificados para os devidos esclarecimentos. Acrescentou que muitos docentes não aparecem desde o início do ano lectivo, outros leccionam uma ou duas vezes por semana, uma situação que preocupa a Repartição Municipal da Educação.
 As localidades que registam a ausência de professores do ensino de base são Quitalami, Quibala, Quicuva, Quimanongo e Quinzambi. O director da Educação lamenta o facto e recordou que boa parte dos docentes se recusa a trabalhar nas escolas onde foram colocados, devido ao mau estado das vias de acesso e falta de alojamento condigno.
Em função da situação, referiu, a Repartição Municipal da Educação mandou instaurar processos disciplinares aos infractores que ficaram sem os ordenados deste mês e disse que caso persistam, vão ser expulsos.
O professor David Augusto, colocado na escola primária da Quibala, afirmou que o mau estado da estrada que liga a localidade à sede do município, num percurso de 20 quilómetros, além da falta de alojamento, estão na origem da ausência dos docentes. “Temos vontade de trabalhar, mas na localidade onde fomos colocados não há casas condignas. Há falta de meios de transporte e muitas vezes os próprios alunos preferem ir para as lavras. Estes e outros problemas complicam muito o nosso trabalho”, disse Mário Soares, professor de Quicuva. O sector da Educação na região tem 926 professores que leccionam em 56 escolas. Este ano foram matriculados 18.682 alunos, da iniciação à 12ª classe. Nos últimos dois anos o sector da Educação no município do Songo conheceu melhorias significativas, fruto do aumento do número de salas. No ano passado, o Songo ganhou 18 escolas que permitiram o enquadramento de mais de dois mil alunos que estudavam em salas provisórias.

Merenda escolar

No Songo, 1.450 crianças, de 20 escolas primárias, beneficiam do Programa Merenda Escolar. O director municipal da educação, Armando Jorge, garantiu a expansão das refeições a mais escolas, para beneficiar também outros alunos. A merenda escolar é composta por bolachas, sumos e água.
A Repartição da Educação está empenhada na melhoria das condições de acomodação dos professores e na construção de escolas nas localidades onde não existem para permitir  que mais crianças tenham acesso ao ensino.

Tempo

Multimédia