Províncias

Programas de educação comunitária abrangem centenas de crianças no Uíge

Pelo menos 78 crianças menores de cinco anos de idade, do município de Negage, província do Uíge, estão inseridas nos programas de educação comunitária nas aldeias com maior densidade populacional.

Pelo menos 78 crianças menores de cinco anos de idade, do município de Negage, província do Uíge, estão inseridas nos programas de educação comunitária nas aldeias com maior densidade populacional.
O responsável local da direcção provincial da Assistência e Reinserção Social, David Mafuani, disse que o programa foi implementado já nas aldeias da Missão, com 306 crianças, Cabala com 176, Quindinga com 198 e Tema com igual número.
Para o presente ano, perspectivou, o sector vai abrir outros centros infantis nas aldeias de Quituia, Cangundo, Bamba Matamba e outras com o objectivo de enquadrar mais de mil crianças no processo pré-escolar.
Como disse, a prestação de assistência alimentar e material aos vulneráveis no município vai ser também outra aposta no presente ano.

Mais escolas

O vice-governador para a Organização e Serviços Técnicos do Uíge, Nazário Vilhena Pedro Bomba, reafirmou, recentemente, o compromisso do Governo tudo fazer para construir mais salas de aulas a nível da província, para reduzir o índice de crianças fora do sistema normal de ensino.
O governante, que falava no acto provincial da abertura do ano lectivo 2010, em representação do governador provincial do Uíge, Paulo Pombolo, garantiu que o Governo central e da província em particular vão continuar a trabalhar no sentido de aumentar mais salas de aulas, com vista a melhorar as condições de estudo das crianças.
“O governo, liderado pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, não está alheio às preocupações da população. Construiu cerca de 300 salas de aulas a nível da província, que permitiram o enquadramento de cerca de quatro mil alunos nos últimos anos. Os esforços do governo não vão parar por aqui, enquanto Angola está a se erguer em todos os domínios, reorganizando sistemas de forma a garantir um futuro próspero”, frisou.
Nazário Vilhena Bomba disse que a escola, para além de ser um centro de aquisição de conhecimentos, é ainda local de busca de comportamentos e valores morais e cívicos, de respeito, simplicidade, solidariedade, honestidade e do amor ao próximo.
Sublinhou, por outro, que o Governo quer apostar nas especializações para os próximos concursos públicos, com vista a sair da era de adaptação para uma outra de especializações, exemplificando que se o concurso público for de educação, então devem concorrer apenas os especializados neste sector.
Na ocasião, os membros da Associação dos Professores de Angola (APA), na sua mensagem, pediram ao Governo mais acções formativas para os professores, assim como a bancarização do salário dos mesmos e melhoria do salário dos docentes e das condições de ensino.

Tempo

Multimédia