Províncias

Quadros do Ministério da Educação foram dotados com novas técnicas

Joaquim Júnior| Uíge

Professores de matemática, química, biologia e física das 16 repartições municipais da Educação do Uíge frequentaram uma acção de formação, que terminou no sábado, sobre novas técnicas de experiências científicas.
A iniciativa foi do Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento da Edução em colaboração com a Direcção Provincial da Educação do Uíge.

Foram demonstradas várias experiências
Fotografia: JA

Professores de matemática, química, biologia e física das 16 repartições municipais da Educação do Uíge frequentaram uma acção de formação, que terminou no sábado, sobre novas técnicas de experiências científicas.
A iniciativa foi do Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento da Edução em colaboração com a Direcção Provincial da Educação do Uíge.
O coordenador do seminário disse que a iniciativa teve o objectivo de desenvolver “actividades fundamentalmente direccionadas para os alunos e orientadas pelos professores” para facilitar o processo de aprendizagem de química, biologia, física e matemática.
Diazala André afirmou que o programa de formação procura desenvolver uma abordagem mais prática dos alunos viverem a ciência e analisarem a relação do quotidiano com as actividades previstas.
Em relação à matemática virtual, referiu, pode-se, pelos objectos observados no dia-a-dia, chegar-se “a deduções de sucessões matemáticas e equações, o que possibilita ver como é que esta ciência se relaciona com as coisas do quotidiano”.
O programa, lembrou, está num DVD com conceitos, exercícios e exemplos matemáticos ligados ao quotidiano, que mostram que a matemática não é apenas números, mas factos e objectos.
Quanto a micro ciências, foram apresentadas experiências executadas num ambiente normal, disse, lembrando que dentro de uma sala se pode realizar um ensaio sem precisar de recorrer a laboratórios convencionais, mais dispendiosos e que requerem água corrente, energia eléctrica e tantas coisas mais que, em Angola, nem sempre estão disponíveis.
Mostramos, salientou, que há experiências que podem ser feitas em qualquer escola, com recurso a meios simples. Na química e na biologia, disse, o programa consiste em motivar os professores a ensinarem os alunos a serem inovadores, o que torna a aprendizagem mais atraente para os alunos.
Diazala André referiu que as matérias que fizeram parte da acção de formação são de aplicação imediata, de acordo com os programas vigentes utilizados pelos professores, nas escolas I e II ciclo do ensino da 7ª à 10ª classe.
É uma iniciativa louvável, se tivermos em conta que os conteúdos que absorvemos têm o objectivo de contribuir para a melhoria do ensino das cadeiras técnicas, sobretudo daquelas onde a prática de laboratórios ainda não é possível, afirmou Osvaldo Afonso, professor e coordenador da disciplina de física no Songo.

Tempo

Multimédia