Províncias

Qualidade de vida na região com melhorias consideráveis

Joaquim Júnior| Uíge

As famílias carenciadas dos municípios do Uíge e do Dange Quitexe têm estado a registar avanços consideráveis nas questões relacionadas com o saneamento e melhoria das condições de saúde, desde a entrada em serviço dos agentes de desenvolvimento comunitário e sanitário (ADECOS), reconheceu ontem a vice-governadora provincial para o sector Político e Social.

Maria da Silva e Silva teceu tais considerações no termo de uma visita a famílias carenciadas residentes nos dois municípios, com o objectivo de constatar as mudanças operadas no âmbito da implementação do projecto de desenvolvimento local.
Durante a visita, a vice-governadora manteve contactos com chefes de famílias, parturientes, autoridades tradicionais e com os ADECOS das localidades do Dambi Angola (município do Dange-Quitexe) e do bairro Mbemba Ngango (Uíge), onde obteve informações sobre os avanços relacionados com o saneamento e acesso aos principais serviços sociais básicos.
Sobre o trabalho dos ADECOS, a vice-governadora soube que o programa, sob a execução do Fundo de Apoio Social (FAS), já cadastrou mais de 7.500 famílias nas comunas e aldeias dos municípios do Uíge, Maquela do Zombo, Dange Quitexe, Negage e Sanza Pombo.
Os agentes têm a missão de informar tudo sobre o funcionamento dos serviços sociais e sanitários existentes nas localidades, cujo objectivo é estimular o desenvolvimento e as competências das famílias. No Dambi Angola, Maria da Silva e Silva apelou a população local para abraçar os conselhos dos ADECOS ligados ao tratamento do saneamento básico nas comunidades, no sentido de ajudarem a evitar doenças como a malária, doenças diarreicas agudas e outras patologias.
“Não guardem as crianças doentes e aquelas que precisam de vacina em casa, pois todos devemos trabalhar na prevenção, eliminar os focos das doenças, a partir da melhoria da higiene”, aconselhou a responsável.
Maria Fernando da Silva salientou que o Governo está cada vez mais preocupado com a melhoria das condições da população, mas aconselhou que todos participem nesta batalha.
Explicou que o Governo criou o programa de desenvolvimento local, que está em fase experimental, com o objectivo de melhor organizar as povoações e os agentes comunitários servem de responsáveis no acompanhamento da mudança que se pretende entre a população, por serem os elos de ligação entre o Estado e as comunidades.
O administrador municipal adjunto do Dange-Quitexe, Luís António Banda, disse que o município controla 30 agentes de desenvolvimento comunitário e sanitário, que actuam nas três comunas, designadamente na Aldeia Viçosa, Vista Alegre e Cambamba. Naquelas localidades, explicou que o cadastramento é feito mediante um caderno de família, onde se encontra o número de agregado familiar, mulheres grávidas e crianças, entre outros dados.

Tempo

Multimédia