Províncias

Reitor revela planos para a criação de pólos

António Capitão| Uíge

O reitor da Universidade Kimpa Vita reuniu, ontem, na cidade do Uíge, com os administradores municipais para lhes dar a conhecer as estratégias traçadas para a expansão do ensino superior na região.

O reitor da Universidade Kimpa Vita reuniu, ontem, na cidade do Uíge, com os administradores municipais para lhes dar a conhecer as estratégias traçadas para a expansão do ensino superior na região.
 Carlos Diakanamua disse que a criação de pólos universitários nos municípios “depende fundamentalmente da existência de docentes residentes nos locais e de melhores condições infraestruturais para assegurar o seu funcionamento”.
 “Este ano, a exemplo do município de Sanza Pombo, começou o processo de identificação de alunos finalistas do ensino médio para ingressarem nas unidades orgânicas de ensino superior existentes na província, para, num período de quatro anos, depois de concluírem a formação, retornarem aos município de origem para assegurarem o arranque dos respectivos núcleos universitários”, afirmou
 Depois de formados os primeiros docentes universitários para os municípios, referiu, os jovens vão deixar de abandonar os locais de residência e muitos funcionários públicos os postos de trabalho para procurarem formação superior na capital da província.
“Em todos os municípios onde se encontre uma escola do ensino médio, já com finalistas, vamos realizar exames de aptidão para todos os cursos existentes na nossa universidade”, disse.
Diakanamua frisou que desta forma, dentro de quatro anos, há quadros em cada município para assegurarem o ensino superior.
 “Depois de formados, os quadros ficam sob responsabilidade das administrações municipais, que devem criar as condições em termos de infra-estruturas para o funcionamento do núcleo e instalação dos docentes”.
 O reitor da Kimpa Vita manifestou-se descontente “com a pressão feita pelas administrações municipais, que, desde a criação da Universidade”, têm solicitado a instalação de núcleos “sem a criação das mínimas condições requeridas”.
 “Em muitos casos, quando vamos verificar as condições de alojamento para docentes e infra-estruturas escolares para instalar os núcleos, as administrações indicam edifícios, onde funcionam escolas do ensino primário, sacrificando os seu alunos”, revelou.
O reitor da Universidade Kimpa Vita aconselhou as administrações a construírem instalações para os pólos, pois, sublinhou, este ano todos os municípios vão beneficiar de verbas, através do programa de descentralização financeira do governo. 

Tempo

Multimédia