Províncias

Saúde no Bungo tem novo hospital

António Capitão| Bungo e Valter Gomes| Quimbele

A população do município do Bungo, na província do Uíge, vê melhorados os serviços de assistência médica e medicamentosa, após a inauguração de um hospital de referência, construído de raiz e apetrechado com equipamentos modernos.
Inaugurado pelo governador Paulo Pombolo, o empreendimento consta dos Programas de Investimentos Públicos e Integrados de Combate à Pobreza e de Municipalização dos Serviços de Saúde.

População tem agora uma unidade hospitalar capaz de prestar serviço com qualidade
Fotografia: António Capitão

A população do município do Bungo, na província do Uíge, vê melhorados os serviços de assistência médica e medicamentosa, após a inauguração de um hospital de referência, construído de raiz e apetrechado com equipamentos modernos.
Inaugurado pelo governador Paulo Pombolo, o empreendimento consta dos Programas de Investimentos Públicos e Integrados de Combate à Pobreza e de Municipalização dos Serviços de Saúde.
O novo hospital municipal do Bungo tem uma capacidade de 64 camas de internamento e presta serviços nas áreas de medicina geral, pediatria, radiologia, farmácia, laboratório de análises clínicas, ginecologia, cirurgia e maternidade, além das áreas de serviço de apoio administrativo, cozinha e refeitório.
O governador do Uíge, que se fazia acompanhar da secretária para os Assuntos Sociais do Presidente da República, Rosa Pacavira, afirmou que o novo estabelecimento melhora os serviços sanitários às populações da região, que durante muitos anos percorriam grandes distâncias em busca de cuidados de saúde, no Negage e Uíge, principalmente. Paulo Pombolo assegurou que as populações do Bungo têm a partir de agora uma unidade hospitalar capaz de prestar serviços sanitários de qualidade, tendo em conta que a mesma possui equipamentos de última geração, médicos e enfermeiros qualificados.
A par desta unidade sanitária de referência, Pombolo inaugurou ainda dois postos de saúde, nas aldeias do Hinda e Quiombo. Cada um dos empreendimentos possui uma sala de internamento com quatro camas, um consultório médico, farmácia e duas salas de parto.

Ponte sobre o Lucanca

O governador do Uíge inaugurou ainda a ponte sobre o rio Lucanca, a cerca de dez quilómetros da sede municipal do Bungo. A infra-estrutura tinha sido destruída em 1976, devido a uma inundação provocada pelas cheias que se abatiam sobre a região.
A ponte reconstruída, que possui cinco metros de largura e 20 de comprimento, está a facilitar a circulação entre as populações das aldeias de Mulenvo e Manguengue, duas localidades da regedoria de Ngola Fucha, que permitem a ligação directa, via estrada, entre o Bungo e o município do Mucaba, que tinha sido cortada há mais de 36 anos. Satisfeito com a reinstalação da ponte, o soba da regedoria de Ngola Fucha, Pedro Bengui, disse que a reposição da circulação rodoviária entre as duas localidades acelera o desenvolvimento da região. A autoridade tradicional disse que durante décadas, os habitantes faziam a travessia do rio com ajuda de paus que eram colocados nas duas margens.
“Era um exercício muito perigoso, sobretudo, naqueles dias em que a chuva cai com grande intensidade. Mas hoje, graças aos esforços do governo, estas histórias vão fazer parte do passado”, disse.

População de Quimbele

Os serviços de assistência médica e medicamentosa a nível das diversas localidades do Quimbele, na província do Uíge, estão a melhorar de forma significativa, disse sábado o chefe de repartição municipal.
Mateus Jorge Pinto disse que estes progressos, no município, foram alcançados graças à construção de centros e postos de saúde e do aumento do número de enfermeiros.
O chefe da repartição municipal do Quimbele disse que o município possui um hospital com capacidade para 57 camas, serviços de pediatria, medicina, laboratórios, radiologia, bloco operatório, maternidade, banco de urgência e outras áreas que garantem uma melhor assistência médica aos pacientes.
O município conta ainda com mais dez outras unidades, entre postos e centros de saúde, distribuídas pelas comunas do Icoca, Cuango e Alto Zaza e nas localidades com maior densidade populacional. Mateus Pinto disse que a maioria dos estabelecimentos sanitários foi construída durante o ano passado, no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza.
A nível do município, o sector conta com três médicos de  medicina geral, pediatria e cirurgia e 42 enfermeiros. A repartição municipal recebeu do governo provincial uma ambulância, subindo para três o número destes meios, facto que está a contribuir para a recolha e evacuação condigna dos pacientes em estado grave nas diversas localidades.
Mateus Pinto disse que está previsto para este ano a construção de postos e centros de saúde nas regedorias, comunas e aldeias, para atender as zonas mais recônditas do Quimbele. O chefe da repartição da Saúde afirmou também que o número de enfermeiros ali enquadrados ainda é insuficiente para fazer face aos pacientes que acorrem às unidades sanitárias.A municipalidade precisa de cerca de 30 novos enfermeiros e sete médicos de diversas especialidades.
A malária, as doenças diarreicas e respiratórias agudas, infecções da pele, no dizer de Mateus Pinto, são as patologias mais frequentes naquela parcela do Uíge.
Para baixar os níveis da malária na região, a repartição municipal constituiu uma equipa composta por 15 técnicos de enfermagem, que se desdobram em acções de sensibilização da população sobre as medidas de prevenção contra a doença, bem como procede à distribuição de mosquiteiros tratados com insecticida. Com uma população estimada em 300 mil habitantes, que se dedicam na maioria à actividade agrícola, o município do Quimbele, localizado 261 quilómetros a nordeste da cidade do Uíge, possui três comunas, Icoca, Alto Zaza e Cuango e 296 aldeias.

Tempo

Multimédia