Províncias

Serviços de dermatologia atendem milhares de casos

Joaquim Júnior | Uíge

Um total de 2.837 doentes com diferentes tipos de infecções da pele recebeu assistência médica e medicamentosa, entre Janeiro e Maio deste ano, na área de dermatologia do departamento de saúde pública do Uíge, revelou ontem o chefe daquele serviço.

Miguel Zavua explicou que a maioria das pessoas atendidas a­presentava nas camadas superficiais do corpo várias infecções, com destaque para as dermatoses, dermatites, eczemas, tinha, micoses e escabioses.
O chefe de secção de dermatologia disse que, a nível do Uíge, as alterações na pele estão a ser frequentes em adolescentes e crianças, principalmente devido ao contacto com água suja e parada, que contém bactérias inimigas da pele, e pela partilha de roupas.
O dermatologista explicou que entre os jovens, a partilha de roupas chega a ser a principal via de contaminação, uma vez que as doenças dermatológicas são causadas por contacto directo com algum elemento, alimentação inadequada, deficiências hepáticas e renais, assim como pelo mau funcionamento do sistema digestivo, além dos germes.Nos casos de dermatoses ocupacionais, que são as alterações da pele e de mucosas directa ou indirectamente causadas, mantidas ou agravadas, pelo trabalho, estas podem estar relacionadas com substâncias químicas e agentes biológicos ou físicos.
Miguel Zavua chamou, ainda, a atenção dos funcionários que lidam com esse tipo de produtos, para respeitarem permanentemente as medidas de biossegurança e sublinhou que a higiene corporal é fundamental para se prevenir qualquer doença, pelo que aconselhou a população a utilizar produtos que protejam a pele.
As doenças dermatológicas apresentam diferentes formas no corpo e podem ter sintomas variados, como comichão, pequenas inflamações e bolhas avermelhadas.
“Nestes casos, o mais prudente é procurar ajuda médica, em vez de se ficar à mercê de remédios caseiros que, além de não curarem a doença, contribuem para o surgimento de infecções ainda maiores, como a filaríase, que pode provocar cegueira”, concluiu o médico.

Tempo

Multimédia