Províncias

Serviços de saúde mais próximos da população

Valter Gomes | Uíge

A assistência médica no município do Púri, província do Uíge, melhora a cada ano que passa, garantiu ao Jornal de Angola o chefe da repartição municipal de Saúde.

Além de postos de saúde e de centros médicos em diversas localidades estão a funcionar clínicas móveis para descongestionar o hospital
Fotografia: Mavitidi Mulaza| Uíge

“Em 2002 o município possuía apenas três postos de saúde, com pouca capacidade para atender os pacientes, mas, durante os 11 anos de Paz, foram construídas, nas diversas localidades, seis novas unidades, entre postos e centros médicos, com capacidade adequada para atender milhares de habitantes”, esclareceu Eduardo Bondo.
Além disso, existem unidades móveis que atendem a população em diversas localidades, descongestionando o hospital de referência, na sede do município.
As unidades estão equipadas com materiais de última geração, técnicos capazes e trabalhadores administrativos.
Nos últimos anos, o sector passou, ainda, a ter casas para os enfermeiros nas diversas localidades e reforçou os meios de transporte, sobretudo ambulâncias, que têm facilitado a evacuação dos pacientes das localidades mais longínquas. Para incrementar o combate à malária, a repartição de saúde constituiu equipas de Luta Anti-Vectorial, que se deslocam, de 15 em 15 dias, a diversas localidades, para transmitir à população as medidas de prevenção e os métodos adequados para o uso do mosquiteiro, tal como os mecanismos destinados a reduzir os mosquitos, em torno das residências. No município, as unidades sanitárias estão asseguradas por 38 enfermeiros e cinco médicos de diversas especialidades, dos quais dois angolanos.
 Na perspectiva de Eduardo Bondo o número de enfermeiros ainda é insuficiente, uma vez que são necessários, pelo menos, 82 novos técnicos, entre enfermeiros e médicos, tendo em conta a demanda.
A repartição municipal da Saúde, em colaboração com a administração do Púri, vai construir, ainda este ano, quatro novas unidades sanitárias, das quais dois centros materno-infantis, nas localidades de Quimussandi e Quiquenene, no âmbito dos programas de humanização dos serviços de saúde e de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza, em curso no país.
“Além das diversas unidades existentes nas localidades periféricas, na sede do município foi construído e inaugurado, recentemente, um hospital de referência, com capacidade para 70 camas”, informou Eduardo Bondo, acrescentando que, para alargar cada vez mais os serviço e melhorar o atendimento aos pacientes, está prevista, para este ano, a construção, junto do hospital municipal, dos serviços de estomatologia, que tem feito muita falta na região.
“O hospital é assegurado por 24 enfermeiros, cinco médicos, além de pessoal administrativo. Para garantir a comodidade e rentabilidade, a unidade hospitalar oferece diariamente três refeições aos pacientes e seus acompanhantes, uma vez que muitos são provenientes de zonas muito distantes”, concluiu.

Munícipes satisfeitos

“Percorrer 50 a 100 quilómetros para alcançar os serviços de saúde humanizados já faz parte do passado, aqui mesmo, na localidade de Macoco, temos o centro materno infantil, que também oferece serviços para adultos, temos medicamentos suficientes e enfermeiros humildes. Não tem sido necessário deslocarmo-nos até à sede do município ou à capital da província, como anteriormente”, disse o munícipe Salakiako Artur.
O conselheiro da Associação das Autoridades Tradicionais do município do Púri, Venâncio Mutange, disse que os avanços no sector da Saúde são visíveis, uma vez que, antigamente, muitos habitantes da região preferiam fazer tratamentos tradicionais, usando medicamentos com eficácia indeterminada, porque era o único recurso, o que provocava a morte de muitos doentes.
Antes, recorda Venâncio Mutange, os doentes em estado grave, mulheres com dores do parto e outros casos de emergência eram transportados em tipóias, devido ao mau estado das estradas, pontes e outras dificuldades, mas actualmente a realidade é bem diferente. “Tudo está fácil e melhor, porque além do aumento de unidades sanitárias, fornecimento de medicamentos e admissão de enfermeiros, a melhoria das estradas resolveu, em grande parte, outro problema que antigamente dificultava a circulação de pessoas e bens”.
O município do Púri é composto por 65 aldeias e 12 regedorias, com uma população calculada em mais de cem mil habitantes, na sua maioria camponeses.

Tempo

Multimédia