Províncias

Serviços impulsionam o desenvolvimento

Nicodemos Paulo | Milunga

Uma escola de seis salas, um centro infantil comunitário, residência para médicos, um pavilhão multiusos e um recinto de conferências foram inaugurados em Milunga, no Uíge, no âmbito do Programa de Combate à Pobreza em curso no município.

Crianças de Milunga com idade escolar passam a estudar em escola com maior dignidade
Fotografia: Mavitidi Mulaza

Os empreendimentos foram inaugurados pelo governador Paulo Pombolo, que aproveitou a ocasião para distribuir motos cultivadoras às associações de camponeses e materiais de pesca artesanal e de construção, além de motorizadas de carga às autoridades tradicionais.
Ainda no âmbito do Programa de Combate à Pobreza estão a ser preparados no município cerca de 570 hectares de terra para serem distribuídos às famílias camponesas, e criados dez campos agrícolas, para a multiplicação de sementes. Recentemente, as 116 associações de camponeses da localidade receberam sementes e fertilizantes.
O governador visitou as obras de construção de sistemas de captação e distribuição de água nas comunas de Massau e Macolo, de 100 casas na sede municipal, de outras 30 evolutivas e de uma residência para os enfermeiros na localidade de Macocola.
Paulo Pombolo disse estar satisfeito com as obras de reabilitação de pontecos sobre os rios Massenga e Lussexi, e a construção de um centro médico a nível da comuna de Macolo, cujos trabalhos estão quase concluídos. No sector da Educação, o município tem 23 escolas com um total de 128 salas. As aulas dos 15.726 alunos são asseguradas por 628 professores, sendo 386 do ensino primário e 188 do primeiro ciclo.
A Administração Municipal continua a apostar na construção de escolas, sobretudo nas zonas de difícil acesso e na fronteira com a República Democrática do Congo, com o objectivo de evitar que as crianças angolanas frequentem o ensino do outro lado da raia.
A administradora, Delfina António Henriques, garantiu que com a construção de mais salas de aulas, cinco mil crianças vão ser matriculadas no próximo ano lectivo. Devido à extensão do município e da distância entre aldeias, este ano houve algumas dificuldades em integrar todas as crianças no ensino. Mas, garantiu, a direcção provincial da Educação está a trabalhar no sentido de aumentar o número de professores na localidade.
O saneamento básico na vila municipal é assegurado por um grupo de indivíduos contratados pela Administração, que se encarregam pelo embelezamento.
Dois médicos e 37 enfermeiros, distribuídos por três centros e 12 postos de saúde, prestam assistência médica e medicamentosa aos 77.769 habitantes da localidade.
A administradora disse que este é um dos grandes problemas, pois, dos poucos técnicos que existem, a maioria trabalha em regime de contrato.

Tempo

Multimédia