Províncias

Uíge constrói e amplia diversos mercados

António Capitão| Uíge

O Governo provincial do Uíge pretende construir mais mercados e ampliar os existentes, para coordenar o comércio informal, anunciou o governador.

Governador e membros do Governo visitaram os mercados da cidade do Uíge e arredores para verificar as condições de comercialização de bens
Fotografia: António Capita| Uíge

Paulo Pombolo visitou na terça-feira o mercado da Catapa, com capacidade para 150 vendedores, erguido em 2009, que não funciona devido à falta de condições, como armazéns para o depósito de mercadorias e reduzido número de lugares para as vendas.
O governador visitou igualmente o mercado da feira, o maior a céu aberto na província, onde a maior parte dos vendedores de bens alimentares e industriais, roupa, e­lectrodomésticos, peças de automóveis e motorizadas têm pedido melhores condições. Foi igualmente ver o espaço onde vai ser erguido um outro mercado no bairro Paco Benze.
Nos mercados visitados, Paulo Pombolo falou com os vendedores e explicou que existe um programa destinado a acomodá-los de forma digna. O mercado da Catapa vai ser ampliado e contar com um espaço para os vendedores grossistas, enquanto na feira vai ser feito um trabalho mais profundo, para, no próximo ano, no âmbito do Programa de Investimentos Públicos, se construir um novo mercado.
“Visitámos um mercado que tem cerca de 150 bancadas, mas que não funciona desde a sua construção, no ano de 2009. Passámos também pela feira e constatámos que é um espaço subaproveitado, onde podemos projectar um mercado de grande dimensão, com todas as condições e com capacidade para aglutinar mais gente”, referiu.
No bairro Paco Benze, foi identificado o espaço onde vai ser erguido um novo mercado, que vai acolher os vendedores que vendem nas ruas, como na Rua Direita do ae­roporto, da rotunda do GAI e Bairro Papelão.
“Temos de criar condições para que as pessoas adiram a estes novos mercados. Vamos construir naves, colocar bancadas, armazéns, instalações sanitárias e criar espaços para que os grossistas estejam mais próximo dos retalhistas. O que queremos é que as pessoas consigam ganhar o seu dinheiro de forma digna e em local digno ”, referiu o governador.
“Enquanto não houver recursos financeiros e porque estamos numa situação de emergência em que precisamos acomodar centenas de vendedores, temos de fazer intervenções provisórias, com a organização dos mercados existentes, que foram ocupados de forma desordenada”, acrescentou.

Ensino na UNIKIVI

O funcionamento e o processo de ensino e aprendizagem na Escola Superior Politécnica da província do Uíge (ESPU), na Faculdade de Direito e de Economia também foram constatados pelo governador provincial, que se deslocou às referidas instituições, onde assistiu, durante alguns minutos, a aulas de Informática e Anatomia, no curso de Enfermagem e Direito Costumeiro, na Faculdade de Direito.  O governador Paulo Pombolo disse que a visita de constatação às unidades orgânicas da Universidade Kimpa Vita (UNIKIVI) foi dedicada fundamentalmente a verificar como decorrerem as aulas, em especial nas áreas técnicas.
Paulo Pombolo concluiu que e­xiste um empenho efectivo dos professores, alunos e corpo directivo. Durante as aulas que acompanhou, foi possível verificar que elas têm sido bem ministradas e há uma participação massiva dos estudantes, tendo em conta a interacção entre docentes e discentes, que eram rigorosos na formulação de perguntas e respostas. “Devemos continuar a a­primorar os métodos de acompanhamento, inspecção e acções que visam motivar os professores e alunos. Há informações quanto à existência de muitos problemas na universidade, o que nos levou a ir constatar o assunto”.

Tempo

Multimédia