Províncias

Uíge produz milhares de toneladas de café

Joaquim Júnior |Uíge

Um total de seis mil toneladas de café foi colhido entre Janeiro e Julho deste ano, na província do Uíge, informou na segunda-feira o director-geral adjunto do Instituto Nacional do Café (INCA).

INAC tem vindo a incrementar políticas de assistência técnica fornecendo plantas e sementes de qualidade às cooperativas agrícolas
Fotografia: Mavitidi Mulaza|Uíge

Casimiro Cardoso, que falava numa palestra sobre “A produção do café e incentivos aos produtores”, inserido no II Fórum de Oportunidades de Negócios, que decorreu no Uíge, sublinhou que, nos últimos cinco anos, a província colheu entre duas a três mil toneladas do produto.
O Instituto Nacional do Café tem registados cerca 450 mil cafeicultores em todo país, dos quais 50 mil do Uíge, disse Casimiro Cardoso, para quem a população cafeicultora daquela parcela do país está repartida por 143 cooperativas de café, dentro das 180 existentes em todo o país.
Neste momento, os cafeicultores da província ocupam uma área com cerca de 37 mil hectares de café. Sobre as áreas de produção, revelou que a maior parte é atribuída à província do Uíge, daí a importância económica da região no pólo geral da produção de café.
Em termos de produção e colheita, o director-geral adjunto do INCA afirmou que, entre os 16 municípios que compõem a província, destacam-se os do Songo, Negage, Mucaba e Uíge. Cardoso Casimiro explicou que um dos principais motivos que influenciam a baixa produção de café tem a ver com os baixos preços praticados no mercado. Segundo o director-adjunto, um quilode café Mabuba custa apenas 50 kwanzas, ao passo que o comercial (descascado) é vendido a 120 kwanzas, facto que tem desanimado os produtores de todo país.
Para o incentivo da cultura do café, o INCA tem vindo a incrementar políticas de assistência técnica, fornecimento de plantas e sementes de qualidade às cooperativas agrícolas e associações de camponeses.O INCA tem ainda envidado esforços no sentido de se criarem mercados rurais, assim como tem distribuído equipamentos, desde descasques, desaprovador, sacos polietilenos e juntas.

Nova visão

O INCA trabalha no diagnóstico de novas áreas de cultivo, para o aumento da produção e produtividade, baixar os custos de produção e incentivar a qualidade do produto. Dentro do relançamento da cafeicultura na província, no período 2013/2017, Casimiro Cardoso revelou que estão inscritos alguns programas, como o de produção de mudas sobradoras, assistência técnica e comercialização do produto. Além disso, assegurou que as oportunidades que a província oferece prendem-se com a disponibilidade de terras, possuindo materiais genéticos da alta qualidade, facto que vai atrair os investidores na procura de espaço e qualidade do produto. Em Angola, produzem-se dois tipos de café, sendo a robusta, com as suas variedades, e o café arábica, que é produzido em menor escala.

Tempo

Multimédia