Províncias

Vendedoras negam transferência para o Quindenuco

Milton Eduardo | Uíge

As vendedoras do mercado municipal do Uíge passaram a dispor de um novo espaço para comercializar os seus produtos, com melhores condições higiénicas e apropriado para o exercício da actividade comercial.

O actual espaço vai beneficiar de obras de reabilitação para um maior conforto
Fotografia: José Bula

As vendedoras do mercado municipal do Uíge passaram a dispor de um novo espaço para comercializar os seus produtos, com melhores condições higiénicas e apropriado para o exercício da actividade comercial.
Com capacidade para albergar três mil vendedoras, o novo mercado localiza-se no bairro Quindenuco, a quatro quilómetros da cidade, o que, segundo as comerciantes, dificulta o exercício da sua actividade diária por falta de transporte e de clientes, para os quais o mercado também é distante.
A coordenadora da secção de frescos do mercado, Berta Luenze Ferreira, disse, durante um encontro promovido no último fim-de-semana pela direcção provincial da Família e Promoção da Mulher, no âmbito da jornada Março Mulher, que está satisfeita com as novas condições colocadas à disposição das vendedoras, mas recusa-se a transferir-se para lá.
“O novo mercado é bonito e é de louvar os esforço do governo. O nosso problema está na distância que separa a cidade do mercado, fazendo-nos correr sérios riscos de sermos assaltadas pelos marginais”, disse.
Má Luvengo, vendedora de sacos de plástico, referiu que o outro motivo está relacionado com a falta de armazéns para grossistas no bairro Quindenuco. “Eu vendo sacos e lá não há nenhum armazém que nos permita comprar produtos a grosso para depois revendermos a retalho”, referiu.
A administradora municipal adjunta do Uíge, Maria Manuel Cardoso, informou que o espaço onde funciona o antigo mercado vai, nos próximos tempos, sofrer obras de reabilitação e ampliação para proporcionar maior comodidade à vendedeira informal.
Maria Manuel Cardoso pediu maior colaboração das vendedoras na efectivação do processo de transferências para o mercado do Quindenuco, na periferia da cidade.
O novo mercado, cuja verba das obras foi já disponibilizada pelo Ministério das Finanças, tem capacidade para albergar condignamente mais de cinco mil vendedores e melhores condições de saneamento.
“O actual mercado vai, a partir deste primeiro semestre, ser alvo de uma intervenção de reabilitação e modernização e não podemos fazê-lo com a actividade comercial a decorrer ao mesmo tempo, por isso, construímos o mercado do Quindenuco, que oferece boas condições”, disse a administradora municipal adjunta do Uíge.
Afirmou ainda que o governo pretende personalizar as condições das nossas quitandeiras e por isso “esperamos que colaborem e o ajudem na materialização destas condições, que estão a ser postas à disposição da população”.

Tempo

Multimédia