Províncias

Violência doméstica tende a aumentar

Valter Gomes | Mucaba

O elevado índice de casos de agressão física, divórcio, abandono de menores por acusação de feitiçaria, fuga à paternidade e mortes por enforcamento em várias localidades do município do Mucaba, no Uíge, é cada vez mais preocupante, afirmou ontem ao Jornal de Angola a administradora municipal.

Direcção da Família e Promoção da Mulher aconselha a população a optar pelo diálogo
Fotografia: Filipe Botelho

Piedade Samuel Hebo disse que em várias localidades do município, o nível de desentendimento entre os casais é cada vez maior, a julgar pelo número de separações ou divórcios, na sequência das infidelidades no relacionamento, falta de harmonia e respeito às diferenças.
Uma mulher enforcou-se recentemente na localidade de Lutanda, por ter sido espancada várias vezes pelo esposo e abandonada em casa com lesões graves. “Ela estava saturada das pancadas que resultavam de várias outras situações de desentendimento no lar e por isso a vítima decidiu pôr fim à vida”, contou a administradora.
Este é apenas um exemplo de tantos outros casos que têm vindo a ocorrer em várias localidades do município. A Administração Municipal já reuniu com a Polícia Nacional e a Secção Municipal da Família e Promoção da Mulher para definir as melhores estratégias de combate ao fenómeno, alertando as famílias a absterem-se destas práticas, que em nada contribuem para o desenvolvimento da sociedade.
Os progenitores devem ser exemplares e servir de modelo para com os filhos, pautando em primeira instância pela conservação dos valores éticos, culturais e morais no seio familiar.

Gravidez precoce 

A administradora municipal do Mucaba, Piedade Samuel, manifestou-se também preocupada com os inúmeros casos de aborto, como resultado da gravidez precoce em adolescentes. “Muitas vezes, as jovens sem maturidade e responsabilidade acabam por realizar abortos de uma forma imprópria, o que as coloca em risco de morte constante”, frisou.
Piedade Hebo aconselhou as famílias e encarregados de educação no sentido de conjugarem esforços para melhor educarem os seus filhos, evitando que situações mais desagradáveis surjam. “Para o êxito deste propósito é necessário que as famílias pautem pela harmonia e concórdia, cultivando o bem-estar no seio de todos”, sugeriu. A administradora  aproveitou a ocasião para aconselhar os habitantes que vivem na periferia da vila municipal do Mucaba no sentido de cuidarem melhor do saneamento básico, visto que existem moradores que nem sempre fazem limpeza dos seus quintais, contribuindo assim para o surgimento de várias doenças.
“Uma residência pertence ao cidadão que nela habita e não podem ser apenas os serviços comunitários da Administração Municipal a fazer a limpeza. As famílias também devem contribuir para o bem-estar de todos nós”, aconselhou a administradora Piedade Hebo.
O município do Mucaba possui uma população estimada em mais de 86 mil habitantes, na maioria camponeses, distribuídos numa comuna, 52 aldeias e seis regedorias.

Tempo

Multimédia