Províncias

Aumento de casos está a preocupar serviços de saúde

Os serviços de saúde reprodutiva da Repartição Municipal da Saúde do Soyo registaram 621 casos de gravidez precoce de Janeiro a Junho deste ano, uma situação preocupante, informou ontem, naquela cidade, a supervisora do ramo.

Cristina Paulina esclareceu que 49 dos casos envolveram raparigas de 15 anos, 104 casos em meninas de 16 anos, enquanto os restantes casos correspondem a adolescentes dos 17 aos 19 anos.
A responsável reconheceu que, em comparação com igual período de 2015, registou-se um aumento de 200 casos de gravidez precoce, atribuindo o facto à fraca informação em matéria de educação sexual das raparigas, fruto do tabu que ainda persiste nas famílias na abordagem desta temática.
Cristina Paulina defendeu mais diálogo nas famílias sobre questões relacionadas com a sexualidade, para que as jovens conheçam os perigos inerentes às relações sexuais prematuras.
“Os pais devem assumir o verdadeiro papel como educadores, pautando mais pelo acompanhamento dos seus filhos, bem como na satisfação das suas necessidades materiais e espirituais, para garantir-lhes o bem-estar social”, acrescentou Cristina Paulina .
A supervisora dos serviços de saúde reprodutiva da Repartição Municipal da Saúde informou que as autoridades sanitárias têm desenvolvido o seu papel na sensibilização de adolescentes sobre os riscos de gravidez precoce, através de palestras e outras campanhas levadas a cabo em locais públicos, como escolas, igrejas e mercados.

Tempo

Multimédia