Províncias

Centro de acolhimento é ampliado em breve

Fernando Neto | Mbanza Congo

Um protocolo de apadrinhamento do centro de acolhimento Frei Jorge Zullianelo, que acolhe actualmente 98 crianças acusadas de feitiçaria, foi ontem assinado, em Mbanza Congo, pelo Governo Provincial do Zaire e a empresa China Road and Bridge Corporation.

Em quase todo o país são criadas as condições para que as crianças carentes e em conflito com a Lei tenham um crescimento saudável
Fotografia: Adolfo Dumbo

A parceria foi rubricada pelo director provincial da Assistência e Reinserção Social, Manuel José António, e pelo director-geral adjunto da China Road and Bridge Corporation, He Zhi.
O protocolo estabelece, numa primeira fase, a construção de um lar feminino, um campo polidesportivo e a reabilitação das instalações do centro. Rubricado na presença do governador da província do Zaire, Joanes André, e de uma delegação do secretariado executivo do Conselho Nacional da Criança, o protocolo destina-se a melhorar as condições de alojamento das 98 crianças que vivem no centro e a resolver as principais necessidades, de modo a permitir o seu normal funcionamento.
O director-geral adjunto da empresa de construção civil chinesa, He Zhi, primeiro outorgante do protocolo, garantiu que já estão preparadas as condições para o início das obras de reabilitação e ampliação das instalações do centro de acolhimento.
“A obra vai ter a duração de três meses e consiste na construção de um campo multiusos, uma cozinha e a construção do centro para as meninas. A reabilitação prevê a mudança da cobertura, do tecto falso, pintura das paredes interiores e exteriores e remodelação do pavimento”, disse He Zhi.
“Estamos felizes pela atenção que nos é dada, principalmente com a possibilidade de termos um novo centro para as meninas, que vai ser construído próximo do centro infantil Kimpa Vita, no centro da cidade”, disse o responsável da instituição, frei Danilo Grossele.
O centro Jorge Zullianelo foi fundado em 2002 com o objectivo de acolher crianças carentes e acusadas de feitiçaria.
Em 2010 o Governo da província do Zaire construiu novas instalações na localidade do Nfumu, a três quilómetros da cidade de Mbanza Congo, onde residem crianças de ambos os sexos.

Tempo

Multimédia