Províncias

China pretende alargar investimentos no Soyo

Jaquelino Figueiredo | Soyo

Várias empresas chinesas,  ligadas aos sectores da Indústria e da Agricultura, pretendem investir na província do Zaire, disse o embaixador chinês acreditado em Angola, Cui Aimin.

Potencialidades do Soyo estão a atrair empresários chineses
Fotografia: Jaquelino Figueiredo | Edições Novembro

O diplomata revelou a informação à imprensa , no Soyo, no final de uma visita à localidade, onde esteve a sondar áreas para o investimento chinês. “Além da China ter dado garantias ao Executivo angolano de concessão de mais financiamento, para a construção e reabilitação de infra-estruturas, estamos disponíveis para ajudar a impulsionar outros sectores importantes para o relançamento da economia angolana”, disse Cui Aimin.
“Este ano”, adiantou,  “haverá grandes investimentos chineses em Angola, principalmente nas áreas da agricultura e da indústria. A China vai ajudar igualmente a desenvolver os sectores da Saúde e da Educação.”
Cui Aimin disse que, no caso particular do município do Soyo,  existem condições para que, ainda este ano, empresas chinesas possam dar os primeiros passos para investirem na região. “Estes passos estão dependentes da evolução da economia em Angola e das políticas de atracção de investimento que o Governo Provincial criar”, disse , para acrescentar:  “Posso assegurar que do lado chinês estão criadas as condições para o arranque do processo de investimento nesta província. Portanto, tudo depende das condições que forem oferecidas aos empresários chineses”, frisou. A pretensão de empresários chineses  investirem na província do Zaire, segundo o diplomata, deve-se, entre outras condições,  aos recursos naturais, concretamente o gás e o petróleo abundantes na região, e por estar situada próxima da capital do país.
Por seu turno, o governador provincial do Zaire, Pedro Makita, disse que “a província está aberta a mais investimentos de empresários chineses. O projecto agrícola “Diadia”,  no município do Cuimba, é fruto de investimento  de uma  empresa chinesa.

Tempo

Multimédia