Províncias

Combate à pobreza em debate no Zaire

Fernando Neto | Mbanza Congo

Membros da sociedade civil na província do Zaire debateram, durante um encontro realizado em Mbanza Congo, mecanismos capazes de permitir a melhoria do diálogo nas comunidades, para elevar a participação dos cidadãos nas políticas do Executivo viradas ao combate à pobreza.

O encontro, promovido pela Igreja Anglicana em Angola (IAA), foi realizado sob o lema “Dialogar é fundamental para combater a fome e pobreza” e juntou líderes religiosos, partidos políticos, estudantes, empreendedores e autoridades tradicionais.
O coordenador provincial de projectos da IAA no Zaire, Nelson Mbianda, revelou que as organizações da sociedade civil das províncias do Zaire e Uíge, com iniciativas neste domínio, foram subsidiadas pela União Europeia. A província do Uíge recebeu 60 mil euros ao passo que o Zaire 40 mil euros.
Nelson Mbianda avançou que é necessário que as organizações da sociedade civil ajudem o Executivo no processo de capacitação das comunidades, no sentido de terem uma participação activa no desenvolvimento do país.
Para que as organizações da sociedade civil possam elevar o diálogo nas comunidades precisam, em primeiro lugar, de superar as dificuldades do ponto de vista de financiamento, elaboração e gestão de projectos, assim como no domínio das novas tecnologias de comunicação e informação (TIC).  Os participantes defendem a realização de oficinas de ideias nas sedes municipais e bairros, no sentido de preparar as populações sobre diferentes assuntos sociais, principalmente o combate à pobreza.
O bispo da Igreja Anglicana em Angola, João André Soares, disse que ultrapassada que está a barreira da guerra no país, a população deve aprender a fazer levantamento das suas dificuldades e elaborar propostas concretas para solucioná-las.  
“Deus não criou os seus filhos para serem pobres. O subsolo angolano está cheio de recursos naturais e uma vez explorados podem trazer alegria a todos os cidadãos desta terra”, profetizou o bispo, acrescentando que é preciso dialogar sempre para encontrar a solução dos problemas da sociedade.

Tempo

Multimédia