Províncias

Disponibilizadas áreas para o cultivo no município do Nzeto

Fernando Neto | Nzeto

Famílias organizadas em cooperativas e associações agrícolas receberam, na aldeia de Macolo, município do Nzeto, parcelas de terras aráveis, para o fomento da agricultura.

Camponeses têm recebido vários apoios para poderem aumentar a produção
Fotografia: Adolfo Dumbo| Mbanza Congo

Famílias organizadas em cooperativas e associações agrícolas receberam, na aldeia de Macolo, município do Nzeto, parcelas de terras aráveis, para o fomento da agricultura.
O director provincial da Agricultura, Paixão Esteves, esclareceu que 300 famílias, organizadas em cooperativas e associações agrícolas, vão ter o apoio da Empresa Nacional de Mecanização Agrícola (MECANAGRO), no desbravamento das terras para que possam aumentar a produção.   
O vice-governador do Zaire para os serviços técnicos, Eduardo Rogério Zabila, que esteve presente no acto de abertura da campanha agrícola, em representação do governador provincial, Pedro Sebastião, incentivou os agricultores a aderirem ao crédito agrícola, para melhorarem a produção, obterem maiores rendimentos e reduzirem a pobreza.
O director provincial da Mecanagro, Sebastião Rodrigues, informou que a sua empresa prevê colocar à disposição dos camponeses, durante o ano agrícola 2010/2011, 1.500 hectares de terras aráveis, contra os 340 desbravados no ano transacto.
Sebastião Rodrigues disse ainda que a maior dificuldade enfrentada pela empresa, desde 2006, prende-se com a falta de formação dos agricultores e com o difícil acesso às peças de reposição para as máquinas avariadas. “Temos problemas de falta de cultura agrícola na população da região, comparada a outras regiões do país.
Levamos tractores a uma localidade e ainda temos que procurar os camponeses, explicar-lhes a importância do seu uso”, frisou Sebastião Rodrigues, para quem o facto de a produção agrícola dar rendimentos tardiamente, comparada ao comércio de bebidas, tem desencorajado muitas famílias locais.
Júlia Bata, da Associação Bata Kidumuca, expôs durante a cerimónia de abertura do ano agrícola alguns produtos da sua safra, banana, manga, feijão e cenoura.
A agricultora sublinhou a importância do crédito agrícola e disse que espera adquirir com o dinheiro electrobombas para a irrigação e meios de transporte para escoar os produtos para os mercados.     

Tempo

Multimédia