Províncias

Escola Superior Politécnica tenciona abrir mais cursos

A Escola Superior Politécnica de Mbanza Congo, afecta à Universidade 11 de Novembro, pretende no próximo ano lectivo abrir novos cursos nas especialidades de Enfermagem, Sociologia, História e Antropologia, informou sexta-feira o director interino da instituição de ensino superior, Zolana Avelino.

Um ângulo da Escola Superior Politécnica de Mbanza Congo que vai ter novos cursos
Fotografia: Jornal de Angola

A Escola Superior Politécnica de Mbanza Congo, afecta à Universidade 11 de Novembro, pretende no próximo ano lectivo abrir novos cursos nas especialidades de Enfermagem, Sociologia, História e Antropologia, informou sexta-feira o director interino da instituição de ensino superior, Zolana Avelino.
O responsável assegurou à Angop que, para a materialização deste objectivo, uma equipa de peritos da congénere de Cabinda, encabeçada pelo seu decano, esteve há dias a trabalhar na cidade de Mbanza Congo, onde avaliou as condições para a concretização deste projecto académico.
Como disse, a abertura de novos cursos na escola superior vai diversificar a formação académica dos jovens, principalmente para a área da saúde. “Sabemos que a província se debate com insuficiência de técnicos superiores no domínio da saúde. Portanto, a abertura de um curso de enfermagem constitui mais valia para o Zaire e não só”, referiu o director interino.
Zolana Avelino disse acreditar que com os esforços do governo provincial e da reitoria da Universidade 11 de Novembro, com sede em Cabinda, este projecto pode ser implementado o mais depressa possível.
Zolana Avelino disse ainda que a Escola Superior Politécnica de Mbanza Congo oferece actualmente as mínimas condições em termos de salas para a abertura de mais cursos, faltando apenas a criação de bibliotecas e laboratórios.
A instituição, aberta em 2010, ministra cursos nas especialidades de Psicologia, Matemática, Física, Química e Gestão Empresarial.
Neste ano lectivo matricularam-se 835 estudantes, com um corpo docente constituído por 39 professores, entre nacionais e estrangeiros.

Tempo

Multimédia