Províncias

Governador solidário com população do Cuimba

Kayila Silvina | Kuimba

O governador da província do Zaire fez, durante dois dias, uma visita de trabalho ao município do Cuimba, situado a 67 quilómetros da capital provincial, Mbanza Congo, e em várias ocasiões mostrou-se descontente com aquilo que viu.  

Aqui é visível o estado de avançada degradação da via de acesso entre a sede do Kuimba e a Serra da Kanda
Fotografia: Adolfo Dumbo

O governador da província do Zaire fez, durante dois dias, uma visita de trabalho ao município do Cuimba, situado a 67 quilómetros da capital provincial, Mbanza Congo, e em várias ocasiões mostrou-se descontente com aquilo que viu.  
Cuimba, um dos seis municípios do Zaire, está situado no extremo Norte da província e é um potencial produtor de tubérculos e arroz. Todos os anos, quantidades incalculáveis de produtos do campo se estragam, por falta de condições para o seu escoamento para as áreas de maior concentração populacional.  
No geral, o governador não gostou do que viu ao longo da visita. Reconheceu o sofrimento da população, resultante, sobretudo, da degradação das vias de acesso. A comitiva do governador teve mesmo de parar as viaturas e fazer os 30 quilómetros do percurso até à localidade de Kumuene, próximo da divisão com o Uíge, a pé, o que é esclarecedor do estado em que se encontram as estradas que ligam ao Cuimba.
“Este problema é, sem sombra de dúvidas, uma prioridade para a província do Zaire, que tem uma rede rodoviária bastante degradada desde a primeira guerra de libertação nacional”, referiu.
“As estradas que não funcionavam vão agora merecendo a devida atenção, como é o caso da que liga a capital do país ao Zaire, na qual está a ser colocado um novo tapete de asfalto”, explicou, acrescentando que o troço rodoviário Kuimba/Mbanza Congo já estava a ser reabilitado, mas, por “razões várias”, as obras pararam. “O governo está a fazer tudo no sentido de as tornar transitáveis”, garantiu.
Pedro Sebastião visitou a Estação de Captação de Água, o Hospital Municipal e a ponte de madeira da Serra da Kanda. Um dos pontos mais altos da jornada de campo foi a inauguração de duas escolas do ensino primário, nas comunas da Serra da Kanda e Buela. Cada uma delas tem capacidade para albergar 200 alunos em dois turnos.
As crianças que vão beneficiar das novas escolas agradeceram a iniciativa e os esforços que o executivo tem empreendido na construção de escolas e outras infra-estruturas sociais. O governador, pelo seu lado, pediu aos habitantes das comunas beneficiadas para cuidarem com zelo das novas infra-estruturas sociais à sua disposição.
“Nestas escolas vão estudar mais alunos e temos de preservá-las. É um património que o Governo pôs à disposição das populações. Vamos evitar sujar as paredes ou estragar as carteiras. Devemos cuidar delas muito bem, para facilitar a vida das gerações vindouras”, disse Pedro Sebastião.
O responsável máximo da província lembrou que “o trabalho de reconstrução é difícil e deve ser feito com a participação de todos os cidadãos, de modo a melhorar as suas condições de vida”.
Para além de entregar novas escolas, Pedro Sebastião fez a oferta de motorizadas e bicicletas aos sobas do Cuimba e das aldeia do Ngódia, na Serra da Kanda, e Pangala, na comuna do Buela, que faz fronteira com a República Democrática do Congo. O governador do Zaire ofertou ainda televisores e fogões aos sobas do Cuimba. Nas sedes comunais da Serra da Kanda e Buela, entregou às autoridades tradicionais cobertores, utensílios de cozinha e fogões a petróleo.  

Sobas querem mais

Os sobas congratularam-se com as ofertas e pediram ao executivo de Pedro Sebastião para trabalhar mais na melhoria das vias de comunicação, na construção de mais escolas, postos de saúde e residências para professores e enfermeiros. Queixaram-se, igualmente, da inexistência de meios de transporte para o escoamento dos produtos agrícolas e de ambulâncias para a evacuação de doentes. 
Pedro Sebastião disse que o seu executivo está ao corrente das preocupações das autoridades tradicionais e “elas já constam da agenda de prioridades do governo”.
A administradora municipal do Cuimba, Fernanda Deolinda Guerra, que inaugurou, na sede municipal, um jango comunitário, não escondeu a satisfação pelo facto da sua circunscrição contar com mais infra-estruturas. “Tudo faremos para garantir a sua conservação”, disse.
O sector da Saúde do município, que também inspira a atenção das autoridades, vai passar a dispor, em breve, de novas instalações. A equipa de reportagem do Jornal de Angola testemunhou a construção de postos de saúde nas comunas da Serra da Kanda e Buela. Os empreendimentos, de médio porte, aguardam apenas pelo apetrechamento em mobiliário e outro equipamento, para serem inaugurados.

Região disputada
 
O governador do Zaire visitou, igualmente, a regedoria de Ntavudi, que forma a linha divisória entre as províncias do Zaire e Uíge, cuja jurisdição é disputada por ambos os governos provinciais. 
Segundo o Jornal de Angola apurou, a contradição remonta à era colonial, altura em que Ntavudi estava dividida em duas zonas. Uma respondia perante as autoridades do Zaire e a outra às do Uíge. Hoje, como consequência dos laços matrimoniais e de consanguinidade e às trocas comerciais intensas, a população de ambas as zonas está de tal modo “misturada” que o seu sentido de pertença a uma ou a outra província se esbateu. O assunto tem provocado animados debates, não só entre as autoridades das duas províncias como entre as autoridades tradicionais e, de acordo com o governador, já é do domínio do Ministério da Administração do Território.
Na sede municipal do Cuimba, Pedro Sebastião teve um encontro alargado com as autoridades administrativas, tradicionais e religiosas locais, durante o qual foi informado dos principais problemas que afligem a população, designadamente no domínio da assistência médica, abastecimento de água potável, energia eléctrica e reabilitação de estradas.
“A jornada de campo serviu para transmitir as ideias do Presidente da República, José Eduardo dos Santos. Tranquilizámos as populações, tendo em conta os esforços que estão a ser feitos no país, e na província em particular, com o objectivo de melhorar as condições de vida dos cidadãos”, disse.
Fez ainda questão de sublinhar que o Executivo e o governo provincial têm desenvolvido “esforços titânicos no sentido de devolver às populações a tranquilidade e a paz de espírito, premissas essenciais para o desenvolvimento de Angola”.
  
 

Tempo

Multimédia