Províncias

Governo aperta o cerco a empresários desonestos

A Administração municipal de Mbanza Kongo, província do Zaire, instou os proprietários de obras inacabadas na cidade a concluí-las, sob pena de responsabilizá-los judicialmente. 

Um ângulo da cidade de Mbanza Kongo, capital da província
Fotografia: Edições Novembro


O  administrador municipal - adjunto de Mbanza Kongo para a área Administrativa e Técnica, Cláudio Fortunato, explicou que há  edifícios em estado avançado de degradação, obras abandonadas e espaços baldios que deformam a imagem da cidade, que é património mundial.
De acordo com o responsável, os proprietários destes imóveis abandonados e terrenos baldios foram notificados em Setembro de 2017, mas nada fizeram para concluir ou restaurar as obras, pelo que a Administração municipal vai tomar outras medidas para inverter a tendência. Exemplificou os escombros do edifício ao lado das instalações da TAAG (avenida principal da cidade), que passou a ser um esconderijo de marginais e depósito de resíduos sólidos. O seu proprietário alega falta de condições financeiras para concluir a obra.
A cidade de Mbanza Kongo, com uma população de 155 mil e 174 habitantes, é constituída pelos bairros Sagrada Esperança, Álvaro Buta, Martins Kiditu, 11 de Novembro e 4 de Fevereiro.

Tempo

Multimédia