Províncias

Governo Provincial e igrejas em sintonia

Victor Mayala | Mbanza Congo, Carlos Bastos | Sumbe e Adelaide Mualimusi | Ondjiva

O vice-governador da província do Zaire para o sector político e social exortou as igrejas sedeadas na região a transmitirem aos seus fiéis mensagens “de paz e amor”, com vista a construir uma sociedade harmoniosa e de boa convivência social.

Vice-governador defendeu mais participação das famílias na transmissão dos valores morais e cívicos aos seus membros para que se construa uma sociedade equilibrada e participativa
Fotografia: Victor Mayala |

Rogério Eduardo Zabila falava na cerimónia de abertura do Conselho Provincial da Família no Zaire e afirmou que as mensagens religiosas podem ajudar a unir as famílias na educação dos seus membros, por isso disse que é fundamental o papel das igrejas no processo de modelação de conduta das pessoas na sociedade.
 “Mesmo que as famílias não consigam educar convenientemente os seus filhos, a educação religiosa pode resolver essa dificuldade”, afirmou Rogério Eduardo Zabila, sublinhado que neste processo cabe ao Estado criar as condições que permitam às famílias proporcionar uma boa educação aos seus membros. Sob o lema “O papel da família na prevenção de condutas desviantes”, o vice-governador defendeu mais participação das famílias na transmissão dos valores morais e cívicos aos seus membros para que se construa uma sociedade equilibrada e participativa.
É com este espírito, prosseguiu, que o governo provincial do Zaire tem feito grandes investimentos no sector social, para a construção de escolas, hospitais, creches, entre outras infra-estruturas indispensáveis ao bem-estar dos cidadãos.

Cuanza Sul

Os participantes no Conselho Provincial da Família, que reuniu no Sumbe, recomendaram ao Executivo a adopção de políticas de oportunidade que criem condições de trabalho para a satisfação das necessidades colectivas.
Realizado sob o lema “O papel da família na prevenção de condutas desviantes”, o encontro serviu para reflectir sobre o papel das famílias e dos pais, com maior realce para os jovens e adolescentes. Também foi analisada a problemática da delinquência infanto-juvenil e os mecanismos de prevenção e de combate.
Também foi debatida o papel da família na prevenção de condutas desviantes que concorram para o cometimento de crimes por menores e outros membros das famílias. Os participantes recomendaram ao governo da província, no quadro da sua responsabilidade social, a construção, nos próximos anos, de centros de aconselhamento de menores em conflito com a lei. Participaram no Conselho Provincial da Família, membros do governo, administradores municipais adjuntos, representantes de igrejas e de várias organizações femininas de partidos políticos, sociedade civil e autoridades tradicionais.

Recomendada no Cunene

O Conselho Provincial da Família recomendou ontem na cidade de Ondjiva, província do Cunene, à Delegação do Ministério do Interior para encetar mecanismos com vista á criação de conselhos comunitários de segurança nas diferentes localidades.
O encontro  decorreu sob o lema “O papel da família na prevenção de condutas desviantes”, tendo recomendado a cooperação multissectorial entre a polícia, juventude e desportos e família e promoção da mulher na sensibilização das comunidades para a recuperarem a dignidade da família, a partir de valores dos seus antepassados.
À Direcção da Família e Promoção da Mulher, o conselho pediu a realização de mais palestras sobre a influência das tecnologias de informação e comunicação nas escolas, sobretudo nas que estão directamente ligadas às questões da família e da mulher. O conselho da família no Cunene concluiu que a proliferação de seitas religiosas na província contribui para os desvios de conduta moral e social dos jovens e adolescentes e recomendou à direcção da cultura que estanque o fenómeno.
Na abertura da reunião, que abordou temas como o estado da criminalidade em Angola e o papel da família na prevenção da criminalidade, o governador provincial do Cunene, António Didalelwa, recordou que a Constituição de Angola define a família como núcleo fundamental da organização da sociedade e por isso deve merecer especial atenção do Estado na educação das crianças e adolescentes.
António Didalelwa ressaltou que a família é o núcleo da educação em matéria de direitos humanos, género, patriotismo, solidariedade e civismo.  O governador pediu aos psicólogos e sociólogos que desenvolvam esforços para baixar os índices de criminalidade na província, estabeleçam vias de solução e ajudem as famílias, o Estado e os encarregados de educação na educação das crianças na actual conjuntura socioconómica do país.

Tempo

Multimédia