Províncias

Laboratório de Química aberto no próximo mês

Fernando Neto | Mbanza Congo

Um laboratório destinado aos estudantes do curso de Química da Escola Superior Politécnica de Mbanza Congo começa a funcionar em Fevereiro, anunciou o reitor da Universidade 11 de Novembro, que engloba também a província de Cabinda.

Fotografia: JAIMAGENS.COM

Kianvu Tamo, que falava num encontro com 106 finalistas, explicou que este laboratório vai permitir aos estudantes fazerem análises e experiências.
“Vamos tomar as disposições que permitam aos alunos fazerem análises e testes aos conteúdos dos seus trabalhos de fim de curso. Já temos o equipamento e, felizmente, o calendário académico dá a possibilidade de duas sessões de entrega de diplomas por ano, em Março e Setembro”, referiu o reitor, esclarecendo que o laboratório foi adquirido no exterior e vai ser montado no final deste mês, nas instalações provisórias da Escola Superior Politécnica.
Kianvu Tamo referiu que estão a ser feitas diligências junto do Governo Provincial para pressionar a empresa contratada a concluir a construção das salas definitivas para a instalação dos laboratórios de Química e Física, sendo que este último já funciona desde o ano passado, numa área improvisada.

Técnicos cubanos

O funcionamento do laboratório de Física é assegurado por professores cubanos e angolanos, afectos à Universidade Kimpa Vita do Uíge, ao abrigo de um contrato entre as duas instituições.
A Escola Superior Politécnica de Mbanza Congo lecciona os cursos de Psicologia, Gestão de Empresas, Química, Matemática e Física, e este ano académico é aberto o de Engenharia Mecânica, que tem disponíveis 60 vagas. A abertura deste curso é justificada pelo crescente interesse dos jovens locais pela indústria petrolífera.
“O professor formado nesta instituição, assim como o especialista em Gestão empresarial, tem de provar a sua qualidade e capacidade no local de trabalho, uma vez que a escola cumpriu o plano curricular e criou as condições necessárias para proporcionar a formação indispensável”, argumentou.

Tempo

Multimédia