Províncias

Lançada plataforma de inspecção virtual

Fernando Neto| Mbanza Congo

Uma plataforma de inspecção virtual de educação, onde devem ser registados os inspectores do sector, foi lançada ontem na cidade de Mbanza Congo, província do Zaire.

Encontro ajuda à melhoria dos métodos de trabalho utilizados nos diferentes níveis de intervenção da inspecção da Educação
Fotografia: Adolfo Dumbo| Mbanza Congo

O responsável do Departamento de Administração da Direcção Provincial da Educação no Zaire, Monteiro Domingos, referiu que a plataforma vai dar outro dinamismo às actividades realizadas pelos inspectores.
A plataforma foi lançada durante um encontro de inspectores e directores escolares, para a revitalização do sector na província, em que se discutiu o tema “Alternativa de organização territorial da inspecção da educação”.
O encontro foi realizado pelo Ministério da Educação, em parceria com o Instituto Internacional de Planeamento para a Educação da UNESCO, com sede em Buenos Aires, Argentina.
Monteiro Domingos disse que até ao próximo mês de Junho devem ser realizados três encontros, em que se prevê a participação de todos os inspectores e directores escolares da província.
Nos encontros, os inspectores vão analisar os mecanismos de articulação entre a inspecção da Educação e a supervisão pedagógica, além do ciclo de inspecção no âmbito dos órgãos centrais.
Este ciclo de encontros deve marcar um passo importante para a concretização do Programa de Revitalização e Reestruturação da Inspecção da Educação em curso no país, desde 2009. “Este é um complemento dos esforços do Ministério da Educação no processo da reforma educativa”, afirmou o chefe de departamento.
Encontros desta natureza ajudam à melhoria das estratégias e dos métodos de trabalho utilizados nos diferentes níveis de intervenção da inspecção da Educação. A reforma da inspecção não passa apenas pela modificação das atribuições ou funções dos inspectores, mas pelas atitudes apresentadas diante dos actores escolares e órgãos que compõem o sistema educacional.
“Ao invés do inspector encarnar uma postura de agente externo, ou seja, ser imparcial, emitindo juízos a partir da simples observação, esta reforma busca um fiscalizador comprometido com a realidade escolar e em constante diálogo com os diversos departamentos da Direcção Provincial da Educação”, disse Monteiro Domingos. O Ministério da Educação pretende colocar em prática métodos mais efectivos e legítimos para o exercício da fiscalização e controlo das políticas educativas no país.
“A ideia é que seja reconhecida a complexidade do valor educacional, a centralidade do aluno no processo de aprendizagem e os distintos níveis de responsabilidade dentro do sistema educativo, para que a escola possa cumprir a sua função social de assegurar a aprendizagem e a formação do cidadão”, disse.

Tempo

Multimédia