Províncias

Linha de energia eléctrica está livre de minas

Fernando Neto | Tomboco

O traçado entre os municípios do Nzeto e Mbanza Congo, uma distância de 189 quilómetros, por onde vai passar a linha de transporte de energia eléctrica, a partir do ciclo combinado do Soyo, já está livre de minas, garantiu ontem o responsável da Repartição de Operações da Comissão Executiva de Desminagem.

Central do Ciclo Combinado prevê a construção de estações eléctricas no município do Soyo e igual número para Nzeto e Mbanza Congo
Fotografia: Santos Pedro

O coronel João Sebastião revelou o facto durante o acto de entrega do certificado de qualidade ao governador provincial do Zaire, Joanes André, no município do Tomboco, assinalando, desta forma, o fim do processo de desminagem desenvolvido naquele troço, durante cinco meses.
O município do Tomboco é o ponto de encontro entre as duas brigadas de desminagem, uma que partiu da direcção Nzeto a Mbanza Congo e outra que fez o percurso inverso, entre Mbanza Congo e Nzeto.
O coronel João Sebastião, da Repartição de Operações da Comissão Executiva de Desminagem, garantiu que, a partir de agora, as empreiteiras indicadas para a montagem das linhas de alta tensão no troço entre Nzeto e Mbanza Congo estão em condições de executar o trabalho, sem sobressaltos.
“O empreiteiro já pode começar a trabalhar, por isso é que trouxemos o certificado de qualidade para demonstrar que o troço está livre de minas”, disse. O coronel João Sebastião informou que ao longo do processo de desminagem do traçado foram recolhidos seis engenhos explosivos não detonados, que se juntam  aos outros retirados na via que liga Mbanza Congo à fronteira do Luvo, numa área de 242,228 metros quadrados, nomeadamente 500 munições de diversos calibres, 52 uxus, 32 minas antipessoais e 19 granadas de mão, que são destruídos em breve.
O governador provincial do Zaire agradeceu o trabalho da equipa de desminagem, que desde o alcance da paz tem desenvolvido um trabalho exemplar, no que toca à desminagem, permitindo a construção de estradas e um conjunto de serviços essenciais para o bem-estar da população.
Joanes André explicou que uma das condicionantes da montagem da linha de alta tensão entre Nzeto e Mbanza Congo era a desminagem. “Hoje recebemos a Comissão que fez a entrega do certificado, que indica que o referido troço está totalmente desminado. As empresas engajadas na empreitada de montagem das torres devem trabalhar agora sem receio”, disse. O governador provincial informou que neste momento decorre a montagem dos estaleiros das empreiteiras em Mbanza Congo. “Um estaleiro está a ser montado no local onde vai ser construído a estação eléctrica de Mbanza Congo, enquanto outro estaleiro vai ser montado na comuna do Nkiende, a 30 quilómetros de Mbanza Congo.”
A central do Ciclo Combinado do Soyo prevê a construção, na primeira fase, de seis estações divididas em duas para o município do Soyo, igual número para o Nzeto e Mbanza Congo.

Tempo

Multimédia