Províncias

Médicos dão consultas nas casas dos doentes

Fernando Neto | Mbanza Congo

Habitantes da aldeia do Sumpi, na comuna do Luvo, Mbanza Congo (Zaire), tiveram durante uma semana consultas médicas grátis no domicílio, de várias especialidades, uma acção do programa “Saúde das Mulheres na Comunidade” levado a cabo em todo o país pela Organização da Mulher Angolana (OMA).

Assistência médica mais próximo de casa
Fotografia: Jornal de Angola

Habitantes da aldeia do Sumpi, na comuna do Luvo, Mbanza Congo (Zaire), tiveram durante uma semana consultas médicas grátis no domicílio, de várias especialidades, uma acção do programa “Saúde das Mulheres na Comunidade” levado a cabo em todo o país pela Organização da Mulher Angolana (OMA).
A coordenadora nacional do Programa, Filomena Mesquita, informou que foram atendidos 2008 cidadãos nas consultas de medicina, pediatria, clínica geral, ginecologia obstetrícia, oftalmologia, cirurgia e doença do sono.
Durante a campanha, disse, as equipas médicas efectuaram exames de rastreio da tensão arterial, desparasitação e foram distribuídos mosquiteiros impregnados e preservativos. Filomena Mesquita informou que foram igualmente realizadas palestras de educação para a saúde com abordagem de medidas profiláticas sobre patologias como a Sida e bilharziose.
“Realizámos 439 testes de Sida, três dos quais resultaram positivos”, disse Filomena Mesquita. Os seropositivos estão a ser acompanhados pelos serviços provinciais de saúde.
A coordenadora do Programa Saúde das Mulheres na Comunidade reclamou a fraca adesão registada por parte dos cidadãos, não obstante as condições criadas, que incluíram a instalação no local de um refeitório. Muitos aldeões, acrescentou, preteriram as consultas para irem trabalhar nas lavras.
O regedor do Sumpi, Afonso Costa, louvou a iniciativa: “penso que esta acção deve continuar. Tivemos médicos especialistas que apenas encontramos no Hospital Provincial, localizado em Mbanza Congo, numa distância de 30 quilómetros. Estamos todos satisfeito e esperamos que acção do genéro devem continuar”, disse o responsável.

Tempo

Multimédia