Províncias

Município do Nzeto é estratégico

João Mavinga | Soyo

O Governo Provincial do Zaire está a desenvolver acções de impacto social com vista a transformar o município piscatório do Nzeto numa cidade satélite da região, dada a sua importância e localização estratégia.

Melhoria das vias de circulação rodoviária constitui uma das principais apostas das autoridades para facilitação das trocas comerciais
Fotografia: Weza Pascoal|Menongue

Para materializar o projecto, as autoridades provinciais estão a levar a cabo obras de melhoria nas vias urbanas do município do Nzeto.O governador do Zaire, Joanes André, fez este anúncio durante uma visita para constatar o andamento das obras na estrada entre o Nzeto e o Soyo.
Joanes André deixou orientações precisas às empresas contratadas para com vista a minimizar as dificuldades que os utentes daquele percurso de 150 quilómetros em terra abatida continuam a atravessar.
Durante a sua estada no município do Nzeto, o governador  do Zaire, Joanes André, testemunhou o acto oficial que marcou o arranque das obras de pavimentação das principais estradas do município.
Joanes André chamou à atenção das empresas de construção, para que honrem os compromissos, respeitando os prazos acordados com as autoridades provinciais.
Os trabalhos estão a cargo da construtora nacional, Encica, e consistem na pavimentação de sete quilómetros circundantes do casco urbano da vila do Nzeto. A conclusão das obras está prevista para Junho deste ano, assegurou o engenheiro Diego Galvão, da empresa construtora.
As redes técnicas, com destaque para a canalização de á­guas pluviais e o sistema energético, foram também acauteladas no projecto.

Casas evolutivas

Para minimizar o problema da falta de casa própria entre a população das zonas rurais, na comuna de Mangue Grande, a 80 quilómetros do município do Soyo, o governador inaugurou e distribuiu dezenas de habitações evolutivas aos jovens locais, professores, autoridades tradicionais e ao comandante da Polícia Nacional.
Além da falta de casas, a população de Mangue Grande disse ao governador Joanes André para que resolva igualmente a questão da falta de água potável e de energia eléctrica.
O governador já tranquilizou a população, assegurando que acções pontuais vão ser levadas a cabo para a instalação de sistema de água e da aquisição de um grupo gerador.
Na comuna do Quelo, a 35 quilómetros de Mangue Grande, o vice-governador para o sector Económico, Alberto Sabino, inaugurou também uma dezena de casas.Também visitou as obras em curso da nova administração, mercado, centro médico, escola de oito salas e uma esquadra policial. A comuna de Mangue Grande, com 3.523 habitantes, regista grandes melhorias, em função das acções levadas a cabo, no âmbito do Programa de Combate à Pobreza. Na aldeia do Cungo, o vice-governador Alberto Sabino inaugurou ainda um centro médico, com capacidade para 33 camas.

Mercado do Soyo

Os habitantes da cidade do Soyo também têm novos serviços, com destaque para o novo mercado municipal, completamente equipado e  com tecnologia moderna, num projecto de 300 milhões de kwanzas.
A referida infra-estrutura, inaugurada pelo governador do Zaire, Joanes André, vai acolher 600 comerciantes, tem 512 bancadas, 17 lojas para comércio a grosso e a retalho, espaços para venda de produtos industriais e electrodomésticos.
O projecto ocupa uma área coberta de dez mil metros quadrados, espaço que permitiu ao mercado inserir duas padarias, uma linha de fabrico de gelo e um centro infantil com creche que acolhe  200 crianças.
Uma educadora de infância vai estar em regime permanente no mercado para tomar conta das crianças filhas das vendedoras, que têm igualmente uma sala para alfabetização.
O novo mercado municipal do Soyo tem ainda cinco armazéns, dois matadouros, igual número de cozinhas comunitárias e de talhos, posto policial e depósitos para a conservação de produtos a comercializar, além de quartos de banho públicos.
O mercado municipal do Soyo tem  um aspecto arquitectónico moderno, três restaurantes, um posto médico para os primeiros socorros, dois reservatórios de água potável e uma central eléctrica.

Tempo

Multimédia