Províncias

Município do Soyo em estado de alerta

Vanusa Cabimba | Soyo

Profissionais de Saúde no município do Soyo, província do Zaire, ensaiaram medidas de prevenção e controlo da febre hemorrágica Ébola, durante um encontro entre especialistas do Ministério da Saúde idos de Luanda e técnicos locais.

A realização do encontro no município do Soyo é justificada pelo facto da região ser vulnerável à imigração ilegal, onde diariamente entram indivíduos de diversas nacionalidades, através da fronteira comum com a República Democrática do Congo, que podem ser portadores do vírus de Ébola.
No encontro, os especialistas do Ministério da Saúde defenderam ser necessário redobrar a a­tenção dos profissionais de saúde junto das comunidades, para detectar casos suspeitos da doença. Mariano Gaspar, chefe da secção de Saúde do Soyo, informou que até ao momento não foram detectados quaisquer casos de É­bola no país, pelo que não há motivos de preocupação, uma vez que a tendência do vírus é subir para o Norte de África e Angola está situada a Sul.
Apesar disso, as autoridades municipais de saúde no Soyo estão em estado de alerta, com o hospital municipal preparado para atender eventuais casos, com uma sala de isolamento devidamente equipada e médicos especializados.
A Febre Hemorrágica Ébola (FHE) é uma doença humana provocada pelos vírus do Ébola. O período de encubação é de 72 horas após a infecção. Os sintomas manifestam-se através de febre, dores musculares e hemorragia, que pode ser nasal, oral ou de outros órgãos.
O contágio da doença tem início quando uma pessoa entra em contacto com o sangue ou fluidos corporais de uma pessoa infectada, razão pela qual o isolamento do doente é a única forma de prevenção.
O vírus mata cerca de 90 por cento das pessoas infectadas. Não há vacina ou cura para a doença. Até agora, 759 pessoas foram infectadas pelo vírus e 468 morreram.
Os casos foram detectados em países como a Guiné Conacri, Serra Leoa, Libéria e Nigéria.
A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou que este é o maior surto de Ébola já registado desde sempre.

Tempo

Multimédia