Províncias

Província tem na forja fábrica para revestimentos cerâmicos

Víctor Mayala | Mbanza Congo

Um projecto para a instalação de uma indústria de cerâmica, com capacidade de produção diária de 13 mil metros cúbicos de revestimentos cerâmicos foi apresentado ao Governo Provincial do Zaire por um grupo empresarial português.

A foto documenta o momento em que era apresentado o projecto para a construção da fábrica
Fotografia: Adolfo Dumbo | Mbanza Congo

O administrador da empresa, Luís Ascenso, disse que a fábrica, a instalar no município do N’zeto, que ocupa 36 mil metros quadrados, cria 250 postos de trabalho directos e que os operários podem ter formação em Portugal.
Mas, salientou, para a concretização do projecto é necessário que a região reúna requisitos, como disponibilidade de matéria-prima, água, facilidade de recrutamento de mão-de-obra, escoamento de produtos e abastecimento de gás, combustível e energia eléctrica.  “Foram já colhidas as amostras dos diferentes tipos de argila existentes na região para testes laboratoriais para encontrar as mais adequadas para a produção de revestimentos cerâmicos, com as qualidades recomendadas internacionalmente”, referiu.
O governador do Zaire, Joanes André, assegurou aos empresários portugueses que a província possui um subsolo rico em argilas e outras matérias-primas úteis à indústria de cerâmica e o apoio para a construção da fábrica, que considerou importante sobretudo para a criação de novos empregos para a jovnes.
“A fábrica traz vantagens porque os nossos jovens vão encontrar ali o primeiro emprego”, disse e declarou que o porto do Soyo e a auto-estrada Soyo/Nzeto, em construção, permitem à empresa transportar a matéria-prima e escoar os produtos para os mercados.

Tempo

Multimédia