Províncias

Seca provoca abandono das aldeias

Fernando Neto | Nzeto

Os habitantes das aldeias de Kilona, Kilonde e Mulenga, na comuna da Muserra, município do Nzeto, Zaire, estão a abandonar as suas localidades devido à escassez de água vivida desde o princípio da época de cacimbo.

Representantes do povo quando inspeccionavam uma cacimba na Musserra cuja água de consumo é imprópria
Fotografia: Fernando Neto

Os habitantes das aldeias de Kilona, Kilonde e Mulenga, na comuna da Muserra, município do Nzeto, Zaire, estão a abandonar as suas localidades devido à escassez de água vivida desde o princípio da época de cacimbo.
O administrador comunal, João Baptista, apresentou esta situação alarmante durante uma visita dos deputados do círculo eleitoral do Zaire à região. as populações consumiam água de poços que com a falta de chuva secaram, situação que obrigou os aldeões a abandonar a zona.
“Antigamente, abastecíamos de água a estas localidades através de cisternas. Enchíamos um tanque que está na aldeia de Mulenga, mas este ano não conseguimos fazê-lo porque os camiões estão avariados”, disse João Baptista. O administrador acrescentou que a comuna necessita com urgência de uma nova cisterna para minimizar o problema da falta de água que as populações locais enfrentam.
O deputado Garcia Vieira, chefe da delegação parlamentar que trabalhou no município do Nzeto durante três dias, lamentou a situação de escassez de água que a localidade da Mussserra tem vivido, sobretudo neste período seco, tendo exortado o executivo a construir com urgência uma estacão de captação, tratamento e distribuição de água na região.
   “O facto de a comuna da Muserra se localizar na zona costeira, a água que sai dos poços não é boa, devido à sua salinidade, por isso, apelamos aos executores do Programa Água para Todos para acelerarem a execução dos seus projectos nesta região”, disse o deputado Garcia Vieira. Os deputados eleitos pelo círculo do Zaire verificaram ainda que a água do poço que é consumida pelas populações residentes na sede comunal da Musserra, é imprópria, situação que tem provocado, na época das chuvas, muitos casos de cólera e febre tifóide. Os parlamentares, que tiveram encontros com as autoridades tradicionais, visitaram algumas infra-estruturas sociais como escolas e postos de saúde e visitaram os estaleiros de empresas construtoras que operam na região. “Musserra está a precisar de mais atenção”.

Tempo

Multimédia