Províncias

Zaire: Estatística vai inventariar actividade agro-pecuária

Fernando Neto | Mbanza Kongo

O Instituto Nacional de Estatística (INE) vai recensear, na província do Zaire, os produtores agrícolas, pescadores e criadores de animais, com vista a dinamização do sector Agro-pecuário, cujo processo arranca no próximo dia 29.

Agricultores estão a ser recenseados pela Estatística
Fotografia: Garcia Mayatoko | Edições Novembro

Com efeito, técnicos do INE realizaram um encontro, na cidade de Mbanza Kongo, com administradores municipais e autoridades tradicionais para explicarem a finalidade do projecto, consubstanciado na elaboração de políticas de apoio ao sector.

O processo de recenseamento, a decorrer em todos os municípios, vai envolver 31 recenseadores, cartógrafos e supervisores, que vão trabalhar com base nos resultados do censo geral da população realizado em 2014 em todo o país.

A vice-governadora provincial do Zaire, para o sector Político e Social, Fernanda Guerra, disse que este projecto visa apurar, exactamente, o número de profissionais que vivem da agro-pecuária , as dificuldades que atravessa, os meios de produção que utilizam, as dificuldades que atravessam, entre outros factores que vão permitir galvanizar o sector. “O Governo angolano precisa ter informações actualizadas e fiáveis sobre os produtos em falta e os excedentes, que podem ser exportados para atrair divisas para o país, bem como saber o nível de segurança alimentar, com vista a elaboração de políticas de desenvolvimento do sector”, explicou Fernanda Guerra.

Por seu turno, o coordenador do Núcleo das Autoridades Tradicionais do Lumbu (Tribunal Tradicional), Afonso Mendes, disse ser imperioso a reabilitação das vias secundárias e terciárias para permitir a evacuação dos produtos do campo para os centros urbanos.

“A agricultura é o único sector capaz de garantir o desenvolvimento sustentável das comunidades rurais em curto espaço de tempo, pois é a base do sustento das famílias. Por isso temos de modernizar a actividade agrícola e melhorar o processo de evacuação dos produtos do campo para a cidade”, disse.

Tempo

Multimédia