Ponta do Padrão corre risco de desaparecer

Jaquelino Figueiredo | Soyo
19 de Abril, 2017

Fotografia: Edições Novembro

O padrão de São Jorge, mais conhecido por “Ponta do Padrão”, situado na ilha com o mesmo nome, no município do Soyo, corre o risco de desaparecer, caso não sejam feitos trabalhos de contenção da erosão marítima, denunciou ontem o chefe de secção da Cultura, Juventude e Desportos da região.

José Gonçalo Teresa, que falava em alusão ao Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, que se comemorou ontem, disse que a cada ano que passa aquela parte da ilha da Ponta do Padrão regista uma diminuição por causa da erosão marítima.
O responsável lamentou o facto de aquela parcela estar a ser devastada pela erosão marítima e pela força das águas do rio Congo, sem que nada seja feito até agora, o que periga a infra-estrutura histórica localizada na província do Zaire.
José Gonçalo Teresa assegurou ao Jornal de Angola que existe um projecto, elaborado em 2016, pelo Governo Provincial do Zaire, que visa a restauração dos monumentos e sítios existentes no município do Soyo, mas que ainda não arrancou.
Explicou que o programa visa fundamentalmente executar obras para restauração e conservação dos monumentos e sítios do Soyo, para que os mesmos passem a locais turísticos e de fontes de receitas para o Orçamento Geral do Estado.
Quanto à Ponta do Padrão, disse que existe igualmente um projecto do Governo de carácter turístico, em que se contempla a construção de uma ponte cais e aldeamento, entre outros serviços, para que a mesma seja transformada numa zona de paragem obrigatória, tendo em conta a sua localização geográfica.

Para o Porto do Mpinda, o chefe de secção da Cultura, Juventude e Desportos fez saber que existe um projecto conjunto entre o Governo e a Igreja Católica no Soyo, para a construção de infra-estruturas que elevem a importância histórica do empreendimento.
“Esse porto desempenhou um papel importante no embarque dos antigos escravos de Angola para Europa e América”, explicou José Gonçalo Teresa. O responsável disse que o projecto para restauro de alguns monumentos e sítios não foi ainda materializado, por questões financeiras, tendo em conta a crise económica que o país enfrenta. “O programa existe, mas a crise provocou uma certa paragem naquilo que é a sua verdadeira implementação”, lamenta.
Para perpetuar os monumentos e sítios existentes na região, José Gonçalo Teresa defendeu a necessidade de incentivar-se a sociedade, com destaque para os jovens, a visitar esses locais, para que saibam a sua importância histórico-cultural.
O município do Soyo, na província do zaire, conta com seis monumentos e sítios, designadamente a Ponta do Padrão, portos do Mpinda e Rico, Vela kia Soyo, Casa de Adoração e a capela da Missão do Mpinda (Igreja Católica), esta última a única classificada como tal.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA