Reportagem

A amamentação é a base da vida

Osvaldo Gonçalves

Com o slogan a “Amamentação é a Base da Vida”, a Organização Mundial da Saúde (OMS) realiza, desde quarta-feira, 1 de Agosto, a Semana Mundial em alusão ao aleitamento materno, durante a qual é reforçada a importância do leite das mães para o desenvolvimento das crianças até dois anos e exclusivo até os seis meses de vida.

Leite materno é importante para o desenvolvimento das crianças
Fotografia: Santos Pedro | Edições Novembro

Até ao dia 7 do corrente, a OMS coordena a realização, em todo o planeta, de campanhas com vista a incentivar o aleitamento materno, partindo do pressuposto de que, num mundo cheio de desigualdades, crises e pobreza, a amamentação é o alicerce da boa saúde ao longo da vida para crianças e mãe.
Os dados sobre essa matéria são bem esclarecedores: além de reduzir, em 13 por cento, a mortalidade por causas evitáveis em crianças menores de cinco anos, a amamentação também reduz casos de diarreia, infecções respiratórias, hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade.
O objectivo da  World Breastfeeding Week - WBW, sigla em inglês da Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) - 2018,  é demonstrar às pessoas que a amamentação previne a fome e a desnutrição em todas as suas formas e garante a segurança alimentar dos lactentes, mesmo em tempos de crise, deixando claro que, sem ônus adicional sobre o rendimento familiar, a amamentação é uma maneira barata de alimentar crianças e contribui para a redução da pobreza.
A nutrição, segurança alimentar e redução da pobreza são fundamentais para alcançar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas. A OMS acrescenta que apenas 38 por cento  das crianças em todo o Mundo recebem amamentação exclusiva até aos seis meses e só 32 por cento continuam a ser amamentadas até aos dois anos.
O organismo internacional adianta que a amamentação em até uma hora, após o nascimento, protege o bebé de infecções e reduz a mortalidade infantil, previne alergias, anemias e infecções respiratórias, entre os outros benefícios para os recém nascidos e mamãs.
Especialistas adiantam que o leite materno contém todos os nutrientes e anticorpos essenciais até ao sexto mês de vida, previne alergias, anemia e infecções respiratórias, como a asma. Os bebés que foram amamentados têm menos chance de se tornar obesos ou com sobrepeso no futuro e as crianças que tiveram amamentação exclusiva até aos seis meses têm três pontos em média a mais em testes de QI.
Os benefícios para as progenitoras são que a amamentação reduz a depressão pós-parto, ajuda no controlo da natalidade (tem uma taxa de protecção de 98 por cento  nos primeiros seis meses), tem um efeito protector contra o cancro da mama e do ovário e reduz o risco de a mulher desenvolver diabetes tipo 2 após a gravidez. Além disso, o leite materno é acessível. A OMS diz ainda que, se todas as crianças do mundo fossem amamentadas, seria possível salvar por anos a vida de 820 mil crianças de até aos cinco anos de idade.

Evento assinalado em 150 países

A Organização Mundial da Saúde (OMS) comemora, há 26 anos, a Semana Mundial de Aleitamento Materno, em 150 países, para consciencializar a população sobre os benefícios do leite materno.
O representante do Unicef em Angola, Abubacar Sultan, anunciou,  em Luanda,  no Kilamba Kiaxi, que o organismo vai apoiar Angola na integração no Movimento Global para a Nutrição, conhecido como SAM (Scaling Up Nutrition), que permitirá o acesso a possíveis auxílios técnico e financeiros. Abubacar Sultan disse que a integração de Angola vai permitir também que o país conheça experiências de países que tiveram avanços nesta área.
O Unicef tem apoiado os países a desenvolver e a implementar diferentes abordagens que contribuam para a melhoria das taxas de amamentação e consequentemente para o estado nutricional das crianças, diminuindo o número de mortes em menores em diversas áreas do mundo. A ministra da saúde, Sílvia Lutucuta, apelou para o incremento da sensibilização para a promoção do aleitamento materno nas unidades de saúde, nos mercados e entre os adolescentes e jovens, para reverter a situação da desnutrição crónica em crianças menores de cinco anos de idade.
O acto de abertura da Semana Mundial de Aleitamento aconteceu no Hospital Materno e Infantil do Avô Kumbi e contou com a presença de mais de uma dezena de mães, para aleitamento colectivo.

Tempo

Multimédia