Reportagem

Acções mudam qualidade de vida no Lubango

Estanislau Costa | Lubango

Lubango, que já foi Sá da Bandeira, em homenagem ao colono Marquês de Sá Bandeira, faz hoje 96 anos desde a elevação à categoria de cidade, com bons motivos para comemorar, dada as acções de monta em curso, que favorecem o bem-estar da população das zonas urbanas e rurais.

Fotografia: Arimateia Baptista | Edições Novembro Huíla

Os sectores da Saúde e Educação, considerados chaves pelas autoridades da província, vão melhorar e diversificar os serviços, com a construção, requalificação e apetrecho das novas infra-estruturas. O Hospital do Lubango, além de contar, pela primeira vez, com um mamógrafo, aparelho de diagnóstico precoce do cancro da mama, beneficia de obras nas diversas áreas que o compõem.
O Jornal de Angola apurou que as obras incidem na construção da sala de hemodiálise e respectivo apetrecho com equipamentos diversos, reabilitação do Bloco Operatório, da Unidade de Cuidados Intensivos (UCI), área de Urgência, Esterilização, assim como o espaço que acomoda actualmente a Maternidade.
Consta igualmente do projecto a reparação de todos os espaços sanitários de internamento, pintura do edifício, reparação dos elevadores e redes técnicas, cujo processo a construtora local Omatapalo está a acelerar, para cumprir com os prazos contratuais.
Os munícipes que elogiaram as acções do Executivo, por alterar o quadro sanitário não só no Lubango, mas também da província da Huíla, de um modo geral, encorajaram-no a prosseguir as obras, fundamentalmente na Pediatria Pioneiro Zeca, que já se tornou pequena demais para responder à demanda.
A ampliação da Pediatria, com um edifício de um piso, representa uma mais-valia, por criar espaços mais cómodos para as crianças com várias patologias e evitar enchentes constantes no atendimento. A munícipe Albertina Antunes, com o filho sob cuidados médicos, devido à malária, disse que, “quando a nova área estiver à disposição, as crianças e acompanhantes vão estar mais à vontade”.
Reconheceu o empenho da direcção da unidade por, apesar da procura ser maior que a capacidade da casa, “esforços têm sido feitos para atender, acomodar e prestar assistência, principalmente, aos internados”.

Novas escolas
Mais de duas mil e 500 crianças em idade escolar vão ingressar no sistema de ensino e aprendizagem, com o arranque do projecto que visa a construção de duas escolas de 7 e 12 salas de aula, nos arredores da cidade do Lubango.
Neste momento, acima de 500 crianças do Ensino Primário e I Ciclo do bairro do Kwaua estão a frequentar aulas em salas condignas, com a entrega, recentemente, de uma escola erguida de raiz e apetrechada com equipamento diverso. O imóvel, com sete salas de aula, possui um espaço para os professores prepararem os conteúdos a leccionar, seis quartos de banho, cantina, área de lazer e recreação, entre outros.
Durante a entrega da escola à comunidade, o administrador municipal do Lubango, Armando Vieira, exortou os beneficiários a conservar e a denunciar aqueles que têm vindo a danificar os bens públicos.
“Em certos casos, pessoas de má-fé têm vandalizado o património, erguido para proporcionar mais comodidade à população”.
Explicou que a escola tem o abastecimento de água potável e de energia eléctrica gerada por um sistema solar. “Deve ser cuidada para durar mais tempo e servir muito mais crianças”, pediu.
Satisfeito com as novas infra-estruturas escolares, água e corrente eléctrica, o soba Francisco Calembe exortou as autoridades a continuarem a prestar atenção aos habitantes do bairro Kwaua, por serem famílias realojadas das zonas de risco da cidade do Lubango.

Nova centralidade gera expectativa

Os jovens das terras da Chela estão expectantes com o início do processo de distribuição das mais de oito mil casas erguidas na Centralidade da Quilemba, 10 quilómetros a Noroeste da cidade do Lubango.
Dezenas de candidatos continuam a efectuar as inscrições no site da empresa gestora, Imogestim, estando neste momento a aguardar pelo dia “D”, o da publicação das pessoas habilitadas a uma das vivendas ou apartamentos do tipo T2 e T3.
Este matutino apurou que algumas famílias que residem em casebres situados no centro da urbe, assim como em zonas de riscos, vão brevemente ser realojadas nas habitações da nova centralidade. A transferência dos populares para zonas seguras e casas condignas vai permitir a reestruturação da periferia.

Cidade mais atraente

A acção nas obras de Infra-estruturas Integradas do Lubango incidem também no combate aos buracos em várias estradas, que chegam a danificar viaturas. Orçado em 213 milhões de dólares, o projecto, de subordinação central e com duração de três anos, já atingiu acima de 40 quilómetros dos cem previstos.
Iniciadas em Junho de 2017, o projecto contempla também a construção e reparação de quatro espaços de lazer e recreação, passeios e áreas de estacionamento, sistema de drenagem das águas residuais no casco urbano.
Hoje, a antiga imagem de cidade, com as avenidas e passeios esburacados, áreas verdes degradas e com lixo, fica para trás. Já estão a ser utilizados os troços Santa-rotunda do João de Almeida, com duas faixas de rodagem, sinalização e espaço de estacionamento, N’gola-Helder Neto e outros.
O consórcio Omatapalo-Imosul que executa as obras opta também pela utilização de matéria-prima local, facto que tem merecido reparos positivos de vários cidadãos nacionais e estrangeiros. A empreiteira caprichou no uso dos vários tipos de granito, abundantes em zonas da Huíla, Namibe e Cunene.
O bairro da Minhota está agora com nova imagem, sendo que os moradores deixaram de reclamar das inundações provocadas pela água das chuvas. Importa realçar que, ao todo, estão concluídas nove ruas, segundo coordenador técnico da empreitada, João Dinheiro.
O responsável descreveu que o rio Mukufi, um dos afluentes do rio Caculuvar, que corre na zona urbana e suburbana, está a ser desassoreado pela primeira vez, desde a independência, para acelerar a drenagem das águas das chuvas. Neste momento, acrescentou, as obras incidem no troço Maconge - bairro da Mitcha, que é asfaltado pela primeira vez, imediações do Supermercado Kero, Escola 14 de Abril, entre outras.
O projecto de “Infra-estruturas Integradas do Lubango” é executada do por 540 técnicos, sendo 496 nacionais e 44 expatriados.

Tempo

Multimédia