Água de qualidade para as populações rurais

Domingos dos Santos |
23 de Março, 2017

Fotografia: Cedidas pela Fesa

Um inovador sistema de tratamento e distribuição de água potável começou a ser implementado no sector do Gove, comuna do Cuima, no Huambo, e vai ser também instalado em outras regiões do país no sentido de produzir água de qualidade para as populações rurais. 

Implementado pela Fundação Eduardo dos Santos (FESA), em parceria com a Fundação Elecnor, o sistema tem como finalidade tratar água captada no reservatório da central hidroeléctrica do Gove, onde foi colocada uma bomba submergível de 36 metros cúbicos por hora de caudal único e de 115 de altura manométrica sobre as paredes da margem directa à saída da bacia hidrográfica.
O sistema, composto por equipamentos que controlam a turbidez da água bruta, funciona de maneira totalmente automática, fazendo funcionar os filtros de forma independente, bem como em paralelo, conseguindo uma produção de 50 metros cúbicos de água por hora. 
“Se a água bruta estiver acima de 15 ou 20 unidades nefelométricas de turbidez, o sistema é posicionado em série, fazendo com que a água a ser tratada passe consecutivamente através dos filtros, num fluxo nominal de cerca de 30 ou 35 metros cúbicos por hora”, refere uma fonte da Fundação Eduardo dos Santos, acrescentando que em ambos casos, a turbidez da água produzida vai estar sempre abaixo de uma unidade nefelométrica de turbidez, que é a unidade de medição que caracteriza a turvação da água. “Quando a turbidez da água bruta voltar aos níveis normais, o sistema passa nova a filtrar em série”, sublinha a fonte.
Nos casos em que a qualidade da água saída dos filtros ser superior a cinco unidades nefelométricas de turbidez, durante um período de tempo de 10 a 15 minutos, o turbidímetro de água potável aconselha a lavagem dos filtros.
O turbidímetro é um equipamento capaz de medir o grau de turvação de vários líquidos.
Esse equipamento funciona emitindo um feixe de luz através de uma amostra líquida e a partir disso, as partículas sólidas que estão presentes no líquido reflectem. Desta forma, o turbidímetro faz a análise da quantidade de partículas no líquido e determina ou não a pureza do produto.
“Uma vez feita a lavagem de filtros e a turbidez persistir, a estação de tratamento de água é bloqueada por uma hora para que o serviço de manutenção determine a anomalia existente”, explicou.
Os equipamentos de filtração são lavados automaticamente nos cenários em que é acionado um interruptor de pressão diferencial e em caso de sujidade do leito filtrante, aumenta a diferença de pressão entre a entrada e a saída e o referido interruptor de pressão diferencial é acionado, pela má qualidade da água, neste caso, o sistema ativa o turbidímetro. Se não ocorrer qualquer das circunstâncias acima referidas e depois de 48 ou 60 horas, a lavagem do filtro é iniciado, desencadeada por um temporizador interno.
O sistema foi construído em onze meses no valor 142 milhões, 685 mil, 386 kwanzas e tem capacidade de armazenamento de 100 metros cúbicos de água. O Projecto H2OME contemplou também a construção de quatro chafarizes, um fontenário, parque infantil e uma biblioteca totalmente equipada com meios informáticos e livros. O governador do Huambo, João Baptista Kussumua, que inaugurou o sistema, disse que o acesso a água potável, por parte de todos os residentes, é um objectivo que o governo terá sempre em consideração para o melhoramento das condições de vida da população. O governante reafirmou a necessidade de se reforçar a cooperação com organizações nacionais e estrangeiras para a consolidação do programa do Governo “Água para todos” e recomendou às autoridades locais e a população do Gove para preservarem o empreendimento.
João Baptista Kussumua destacou também o gesto da FESA na busca de parcerias com elevação técnica para tornar robusta as suas acções que representam contribuições valiosas, na solução dos problemas da localidade do Gove e na melhoria da qualidade de vida da população.
Por seu turno, o representante da FESA, o curador  Puna Zau, que representou o Presidente da Fundação Eduardo dos Santos, Ismael Diogo da Silva, referiu que a construção das infraestruturas, representa um plano interventivo da instituição, no auxílio às comunidades rurais, para melhorar as suas condições de vida e estimular o desenvolvimento sócio-económico da população.
Puna Zau ressaltou a importância da água na vida das populações e a participação deste projecto pioneiro em África, possuir o espaço multiuso com biblioteca e área para outras actividades sócio educativas, e ainda o parque infantil para uma ocupação útil dos tempos livres das crianças do Gove.   E o Presidente da Fundação Elecnor, Fernando Arteche, valorizou a infraestrutura agora inaugurada que contempla também uma componente lúdica, para além das actividades formativas, tendo igualmente reconhecido a importância da parceria entre as duas Fundações.
No final da cerimónia de inauguração foi assinado o título de doação ao Governo da província do Huambo, onde ficou expresso que a Estação de tratamento de água potável do Gove deverá ser utilizada exclusivamente, em benefício colectivo do povo angolano.
Para além de representantes do Governo provincial do Huambo, o acto inaugural foi prestigiado pelo Secretário de Estado das Águas, o engenheiro Luís Filipe da Silva, por representantes da Elecnor, representantes da Embaixada do Reino de Espanha em Angola, autoridades religiosas, tradicionais, estudantes e membros do Conselho de Curadores da FESA,  encabeçados pelo Director Geral, Dr. João de Deus e os curadores Joaquim  Duarte,  Francisco Fortunato, Luísa Grilo e Eduardo Magalhães.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA