Reportagem

Bengo marca passo no turismo

Pedro Bica | Caxito

Terras de Jacaré Bangão, o pagador de impostos, e da milagreira Nossa Senhora de Santa Ana, a província do Bengo possui histórias, cultura e praias deslumbrantes por descobrir.

Fotografia: Edmundo Eucílio | Edições Novembro

A construção da Estrada Nacional número 100, que liga as províncias de Luanda e Uíge, passando pelo Bengo, permitiu que mais pessoas desfrutassem dos seus encantos naturais. 

Caxito, a sua capital e sede do município do Dande, é uma vila que mantém as suas características naturais. O litoral da Barra do Dande possui uma formação entrecortada, com a mata atlântica a avançar pelo mar, tornando-o no único lugar para a prática de surf, com picos de ondas em quase toda a sua extensão.
Devido ao seu relevo acidentado, a região abriga alguns riachos, que oferecem ao visitante imagens de rara beleza. Alguns rios e riachos formam piscinas naturais, óptimas para um banho refrescante. Na Barra do Dande, é visível o encanto das falésias e o encontro entre o rio e o mar.
O município do Dande é detentor de inúmeros encantos turísticos e paisagens naturais, capazes de atrair turistas nacionais e estrangeiros, mas os investimentos para transformar essas potencialidades em riqueza real tardam a chegar. Este cenário inibe os visitantes e, consequentemente, a rentabilização das áreas turísticas.

Locais turísticos
Os excursionistas podem praticar na região o turismo de observação, fotográfico, ecológico, cultural, de sol e praia, de caça, rural, agroturismo, desportivo e religioso.
Os locais que mais atraem turistas são o Memorial aos Heróis da Pátria, na Açucareira, o Museu da Tentativa, no Porto Quipiri, a Casa dos Escravos, antiga Administração Colonial, as praias do Kinfuca e as Quedas de Valawa, no município do Ambriz.
Constam ainda as lagoas da Ibendua, Sungui, Úlua, a Barragem das Mabubas, as praias do Catumbo e a Igreja da Santa Ana, o segundo santuário Mariano de maior peregrinação no país.
A Fortaleza do Ambriz, que clama por reabilitação urgente, o Túmulo de D.Afonso Maleka, e o Fortim do Kiage são também locais que servem de atracção turística.

Rede hoteleira
A província do Bengo não possui unidades hoteleiras de grande porte em funcionamento. Esta realidade cria imensas dificuldades aos turistas que visitam as terras do Jacaré Bangão.
Bengo possui apenas um hotel de três estrelas em funcionamento, revelam dados do Departamento Provincial do Turismo, a que o Jornal de Angola teve acesso. O documento refere que estão catalogados um total de sete hotéis, dos quais um em funcionamento e os restantes, designadamente o ABC, IU e Bengo, em Caxito, Dicanza, praticamente em estado de abandono nos Libongos, Ambriz, no município com o mesmo nome, e Rosinha, em Pango Aluquém, inoperantes.
O município do Dande, aponta o documento, possui 22 estabelecimentos, que perfazem um total de 395 quartos. Já Nambuangongo conta com um aldeamento turístico de 11 quartos.
A vila piscatória do Ambriz possui aldeamento turístico e uma hospedaria, que totalizam 16 quartos. Bula Atumba, por seu lado, tem apenas uma hospedaria com sete quartos e Dembos igualmente com uma hospedaria de cinco quartos.
A diária varia em função do quarto solicitado. O quarto single custa 25 mil kwanzas no Hotel Panguila. Nas hospedarias, o preço varia entre oito mil e 15 mil kwanzas, incluindo o pequeno-almoço.
A província possui 15 restaurantes e similares, subdivididos em snack bares, botequins, restaurantes e roulottes.

Água e energia
Os empresários do sector apontam o débil fornecimento de energia eléctrica e o abastecimento de água potável como constrangimentos que atrasam o desenvolvimento do turismo na província.
Dos seis municípios do Bengo, apenas o Dande e o Ambriz beneficiam da energia eléctrica proveniente da Barragem das Mabubas e do Ciclo Combinado do Soyo, na província do Zaire. Os restantes dependem de grupos geradores.
A nível da província, apenas 20 por cento da população têm acesso à água potável, com um consumo per capita estimado em 20 litros por dia, contra os 80 estipulados pelo Governo.
Barra do Dande
Rica em gesso, asfalto, mica, carvão vegetal, terra vermelha, quartzito e uma extensa orla marítima, a comuna da Barra do Dande pode ser transformada no principal pólo de desenvolvimento da província do Bengo.
Com forte tradição na pesca artesanal e agricultura, possui um litoral deslumbrante, com cerca de 30 quilómetros de costa marítima. O administrador comunal, Óscar Sabino Bangula, exorta os empresários a aproveitarem as potencialidades da região, para o bem-estar da população. O trajecto entre Caxito e a Barra do Dande é feito em cerca de duas horas.
A comuna da Barra do Dande é fértil em paisagens naturais, destacando-se o cruzamento do rio Dande com a zona costeira do oceano Atlântico. A par disso, constam do seu potencial turístico dois grandes rios e quatro lagoas, onde o cacusso abunda.
Este e outros cenários de rara beleza proporcionam aos visitantes um momento ímpar e convertem a comuna da Barra do Dande num lugar especial para se visitar. Com uma localização geográfica privilegiada, é um verdadeiro refúgio para quem pretende tranquilidade depois de uma longa jornada laboral. À entrada da vila, os pequenos restaurantes, quase todos inoperantes, foram substituídos por barracas de comes e bebes. Embora possua condições excelentes para o exercício da pesca, os pequenos pescadores não têm impacto na vida económica da província.

Hospedagem
Para hospedagem, os turistas têm à disposição o Complexo Turístico da Pasárgada da Barra do Dande, com 16 quartos, uma sala de conferência para albergar 40 pessoas, serviços de restauração, áreas de lazer e uma quadra polidesportiva. Constam ainda uma piscina, esplanada, restaurante, um parque de estacionamento e uma pequena loja.
O Complexo Turístico do Turitanga, um resort virado para o turismo rural e o ecoturismo, oferece tranquilidade para quem quer descansar.
Uma subestação de 60/30 kv fornece energia eléctrica proveniente do Ciclo Combinado do Soyo. A água potável constitui um dos grandes problemas da comuna.
Com uma extensão territorial de 1.082 quilómetros quadrados e uma população estimada em 139.416 mil habitantes, a Barra do Dande é composta por 69 bairros, uma centralidade (Musseque Kapari) e possui um clima tropical húmido, cuja estação seca vai de Maio a Setembro.

Bancos comerciais
Quase todos os bancos comerciais que operam em Angola possuem balcões na vila de Caxito, município do Dande, e apenas dois na vila piscatória do Ambriz.
Com a instalação das agências bancárias nas vilas de Caxito, Quibaxe, Ambriz, Nambuangongo e Bula Atumba, surgiram pequenos negócios individuais, associações e cooperativas de jovens empreendedores.
De realçar que o Banco Sol foi o pioneiro na concessão de créditos a pequenos empreendedores, operadores do ramo hoteleiro e similares desde a sua implantação na região, possuindo até hoje três balcões.
Situada a Norte do país, na faixa litoral, a província do Bengo possui 41 mil quilómetros quadrados de extensão e é constituída pelos municípios dos Dembos, Ambriz, Bula Atumba, Dande, Nambuangongo e Pango Aluquém.
A província do Bengo tem uma população estimada em 351 mil 579 habitantes que se dedicam, principalmente, à agricultura, caça, pesca e pecuária.

Tempo

Multimédia