Reportagem

Café nacional salta fronteira

Yara Simão |

Angola já foi, em 1974, o quarto maior  exportador de café do mundo. Devido às situações de conflito  por mais de 30 anos perdeu para outros países este lugar.

Produto angolano é exportado para Portugal e em brevechega à China
Fotografia: Vigas da Purificação

Volvidos 14 anos de paz o Executivo angolano tem na sua agenda de prioridades a recuperação dos cafezais, com o objectivo de alcançar mais produtores e exportadores e alavancar a economia nacional.
O café tem grande potencial em Angola. Para além de Benguela, na região Centro e Sul, onde predomina o café arábica (catuai vermelho/catuai novo), o cultivo é praticado, também, nas províncias do Cuanza Sul, Huambo, Bié e Huíla. Já no Norte, o destaque é o café robusta, nas regiões do Uíge, Bengo, Malanje e Cuanza Norte.
Além de exportar, Angola também transforma o bago vermelho para o consumo interno e muitas empresas já estão a processar o café. Fazem a colheita, descasque e torrefacção, dando resultados notáveis no mercado nacional, porque já é visível café produzido e transformado nalgumas regiões, como o Cuanza Sul.
Através de empresas que transformam o café para sua exportação, Angola está a ver o seu produto reconhecido além-fronteiras. A Angonabeiro, empresa do Grupo Nabeiro, que actua no mercado angolano na área do comércio e da indústria, produz diariamente três toneladas de café e perspectiva exportar os excedentes para os Estados Unidos da América e China.
Até ao momento, a Angonabeiro exporta o Café Ginga somente para Portugal, mas com perspectivas  também para Moçambique e Cabo-Verde, tendo em conta o plano de internacionalização levado a cabo pela empresa. 
A Angonabeiro é uma das empresas angolanas que   apostam  no recurso a produtos locais e na exportação, com o objectivo de gerar valor acrescentado para a economia do país e crescimento nos negócios. As empresas cafeícolas também servem de âncora para alavancar a produção e as exportações e diversificar a economia angolana.
Com o objectivo de contribuir  para o desenvolvimento da indústria do café em Angola, a Angonabeiro, uma empresa líder de mercado de cafés torrados no país, pretende aumentar os pontos de contacto com o consumidor angolano, difundindo os benefícios do café.
A empresa acompanha os produtores locais, desde a plantação à colheita, para garantir que a qualidade do café seja a melhor possível e financia, inclusivamente, pequenos produtores sem comissões adicionais. No sentido de garantir o escoamento do produto dos seus fornecedores, a Angonabeiro celebra contratos de compra de café, nos quais são definidos os preços em função das cotações do mercado internacional. Esta iniciativa oferece segurança ao produtor, uma vez que lhe permite, logo à partida, assegurar uma margem para o seu negócio.
Este procedimento contribuiu  para que muitos camponeses, agricultores e produtores tenham voltado à cafeicultura, que até aqui estava  abandonada.
Actualmente a Angonabeiro continua empenhada no desenvolvimento do café em Angola. A qualidade do café angolano foi, desde cedo, reconhecida pelo Grupo Nabeiro. A empresa faz, por isso, investimentos constantes no país, tentando, sempre, aproveitar o sabor rico deste café. A marca Delta Cafés coloca café proveniente de Angola em vários lotes, que exporta para mais de 30 países no mundo através do Grupo Nabeiro.
A Angonabeiro detém  a marca de Café Ginga produzida apenas com recursos angolanos e com café de Angola. Sendo uma empresa do Grupo Delta Cafés, a Angonabeiro opera de acordo com as boas práticas do grupo a que pertence. A empresa procura implementar normas e procedimentos idênticos aos praticados pela Delta Cafés em Portugal, ajustando-os, naturalmente, ao contexto social, económico e político de Angola. Assegura, também, a sustentabilidade dos produtores de café no país, apostando na construção de infra-estruturas, tais como furos, poços e fornos nas zonas de café.
Trata-se de um investimento que se insere na política de responsabilidade social da empresa, e que visa o apoio a projectos comunitários, com o objectivo de melhorar a qualidade de vida dos pequenos e médios produtores de café, assim como das respectivas famílias e restantes moradores das aldeias e contribui para o desenvolvimento das comunidades produtoras, fomentando a escolarização e a capacitação dos produtores, promovendo também a gestão racional de recursos naturais e a não poluição dos solos.
Após a Independência de Angola, o café angolano perdeu muito do seu prestígio nos mercados internacionais. Quando em 1998 a Angonabeiro entrou no mercado angolano, verificava-se uma falta de formação de quadros e uma significativa falta de matéria-prima. Para contrariar esta conjuntura, a empresa apostou na recuperação de infra-estruturas, na formação de recursos humanos e na oferta de meios técnicos para recuperar a cafeicultura em Angola.
O café de Angola é muito procurado por israelitas, libaneses, chineses, russos, além dos tradicionais compradores portugueses, espanhóis, italianos e alemães.

Desenvolvimentos futuros


A actividade comercial da Angonabeiro está orientada para três mercados distintos, o canal Horeca, o Retalho Alimentar e o Institucional.
No canal Horeca tem reforçado a sua capacidade de cobertura no terreno, o nível de serviço aos clientes e a visibilidade e  acessibilidade da marca.
Neste sector, a marca Ginga comercializa Café Torrado em Grão, o lote Premium – Muata, feito a partir do melhor café angolano. No canal de Retalho Alimentar, a Angonabeiro está presente em todos os clientes do retalho formal, contribuindo para fazer crescer a categoria de café neste segmento. A empresa comercializa embalagens de café moído e em grão, bem como cafés instantâneos, das marca Ginga Bwe, Ginga Lobito e Ginga Muata Prestigio.
 Em 2014, a marca Ginga renovou o portfólio de solúveis, introduzindo uma lata de 100 gramas no seu portfólio, destinada ao mercado informal. Este novo produto tem como missão garantir o abastecimento do mercado informal através de uma proposta muito competitiva em termos de preço e, simultaneamente, garantindo a qualidade que define o Café Ginga.

Vantagens competitivas

A Angonabeiro é uma empresa que assegura a sua competitividade com base no equilíbrio das variáveis económica, social e ambiental, tendo contribuído significativamente para a recuperação do prestígio internacional do café angolano. Há 15 anos que a empresa desenvolve um trabalho pioneiro ao nível da cultura de café angolano, identificando as zonas com potencial para plantação de café, promovendo parcerias com agricultores locais, concedendo apoios financeiros para o arranque da campanha e contribuindo logisticamente na fase de descasque e benefício do café.
Este trabalho continuado tem contribuído para o desenvolvimento económico da população agrícola no interior do país e estimulado a fixação das mesmas no meio rural. O Café Ginga é vendido exclusivamente em Angola, mas existe a perspectiva de consolidar a actividade através da internacionalização da marca. O facto de ser produzida em Angola e de utilizar café 100 por cento angolano é a principal vantagem competitiva da Ginga. Os consumidores angolanos reconhecem no Café Ginga este facto que contribui activamente para o desenvolvimento da indústria nacional de café.
 A Angonabeiro é lider no mercado de café torrado em Angola e promove a produção de café verde, mediante o apoio directo aos pequenos e médios produtores, assegurando a compra da sua produção para abastecer a empresa em Angola, assim como para exportar para Portugal. A empresa produz mais de 200 toneladas de Café Ginga por ano, utilizando apenas metade da capacidade instalada e tem mais de 100 colaboradores, dos quais 95 por cento angolanos.

Responsabilidade social

Ao replicar em Angola a gestão de “Rosto Humano” que está na base do Grupo, a Angonabeiro incorpora os princípios orientadores do negócio como os valores de humildade, solidariedade, lealdade, a transparência e a integridade.  Um investimento que se insere na política de responsabilidade social da empresa, visa o apoio a projectos comunitários, com o objectivo de melhorar a qualidade de vida dos pequenos e ­médios produtores de café, assim como das respectivas famílias e restantes moradores das aldeias.
O desenvolvimento das comunidades produtoras, fomentando a escolarização e a capacitação dos produtores, promovendo também a gestão racional de recursos naturais e a não poluição dos solos também consta das suas responsabilidades sociais.
No âmbito da responsabilidade social, a Angonabeiro presta apoio permanente aos produtores de café do país e garante a compra de toda a sua produção. Deste negócio dependem hoje mais de 20 mil famílias.
Os produtos Delta Cafés chegam a Angola através da Angonabeiro, a empresa angolana integrante do grupo, que é a distribuidora exclusiva dos produtos do Grupo Nabeiro no país. A relação entre o Delta Cafés e Angola é antiga.  Resulta de um  convite do Governo de Angola ao Grupo Nabeiro-Delta Cafés, para a reabilitação de uma Unidade Fabril de Café.

Café Ginga

 A marca Ginga é uma homenagem à Rainha Ginga, que governou os reinos de Ndongo e Matamba, ficando conhecida pelo seu espírito guerreiro. Em 2011, para comemorar  os dez anos da marca e comunicar o seu “rebranding”, foi lançada a campanha “Há dez anos no coração de Angola”. A nova imagem dos cafés Ginga teve como base a reinterpretação de uma das representações mais populares da Rainha Ginga.
 A ilustração da Rainha e o logótipo da marca foram criados de forma a tornar mais icónica e expressiva toda a gama de cafés. O rejuvenescimento da imagem da marca foi transversal a toda a gama de produtos e reforça a sua ligação a Angola, uma vez que do ponto de vista gráfico, todo o “packaging” foi reformulado com as cores marcantes do País – Vermelho, Amarelo e Preto. Ginga é uma marca que estimula a proximidade com os seus clientes e consumidores. Tal como a marca portuguesa, a marca angolana aposta numa criteriosa estratégia de patrocínios, apoiando projectos de interesse local, promovendo, dessa forma, o envolvimento emocional do consumidor com a marca.
Em 2016, a marca Ginga continua empenhada em contribuir para o desenvolvimento da indústria angolana de café, reforçando a sua notoriedade. De destacar a adesão ao programa “Feito em Angola”, que potencia o desenvolvimento da indústria nacional. A acção “Ginga às Costas” percorreu vários mercados informais de Luanda e promoveu a degustação do Café Ginga junto dos consumidores.

200 mil


Angola transforma o bago vermelho para o consumo interno e muitas empresas já estão a processar o café.  Angonabeiro presta apoio permanente aos produtores de café do país, além de garantir a compra de toda a sua produção. Deste negócio dependem hoje mais de 20 mil famílias.

Tempo

Multimédia