Reportagem

Conferência das mulheres no Sumbe

Casimiro José | Sumbe

As mulheres das igrejas filiadas na Aliança Evangélica de Angola (AEA) reunidas na cidade do Sumbe, província do Cuanza-Sul, debateram  o papel da mulher como pilar fundamental da família, numa iniciativa da comissão provincial da AEA.

 

 

A conferência foi marcada com orações e cânticos de louvor a Deus
Fotografia: Fernando Camilo | Edições Novembro | Sumbe

O objectivo da conferência foi despertar as mulheres ligadas às igrejas, sobre o seu papel na educação dos filhos, edificação dos lares e na moralização da sociedade, como premissas para criar harmonia nos lares e na sociedade em geral.
O evento decorreu na Igreja Evangélica Sinodal de Angola (IESA), que também contou com a participação de responsáveis da Direcção Provincial da Família e Promoção da Mulher, da Saúde e de líderes das organizações femininas dos partidos políticos.
Na conferência, foram debatidos temas como “A mulher cristã e os desafios do século XXI”, “Empreendedorismo no género em tempos modernos” e “Os cuidados femininos na prevenção das doenças transmissíveis sexualmente”.
O prelector do primeiro tema, o docente universitário António Nzinga, considerou que a mulher cristã deve constituir modelo a partir do lar e na comunidade em que está inserida. “A mulher cristã deve constituir-se num modelo desde o lar, na comunidade e na sociedade onde todos se revejam”, disse.
Durante a sua prelecção, disse, as mulheres  constituem  um elemento fundamental da estabilidade e edificação dos lares, das comunidades e da sociedade e são as verdadeiras guerreiras para a harmonia social.
Quanto à igualdade do género, o prelector exortou as mulheres das igrejas filiadas na AEA no sentido de interpretarem os ditames da Bíblia Sagrada: “os papéis assumidos entre os homens e as mulheres não devem ser invertidos”, cabendo a cada um a sua responsabilidade. Fazendo uma retrospectiva sobre o passado, António Nzinga fez saber que anteriormente havia “tabus” em que às mulheres cabia apenas trabalhos domésticos e no campo, situação que não faz parte da actualidade, fruto da evolução que as sociedades foram conhecendo.
“A realidade actual mostra-nos que a mulher pode fazer tudo, muito e bem nos diferentes sectores da vida nacional”, frisou.
O prelector apelou às mulheres cristãs no sentido de apostarem na sua formação académica e profissional para que se imponham com mérito nas tarefas e os desafios que a sociedade impõe.
O segundo tema, sobre o empreendedorismo no género em tempos modernos, foi prelector Luís Francisco, representante do Clese, que na sua abordagem considerou as mulheres como fontes inspiradoras para o desenvolvimento dos lares, das comunidades e da sociedade em geral. Depois de esclarecer sobre a essência do empreendedorismo, Luís Francisco fez saber que a criação de rendimento pelas famílias concorre para a  prosperidade e sustentabilidade dos lares, onde as mulheres jogam um papel determinante.
O prelector exortou as mulheres cristãs a terem iniciativas empreendedoras nos mais variados sectores e apontou os sectores dos transportes, indústria, pescas, agricultura, reparação e manutenção e turismo, entre outros, como sendo os que clamam por intervenção das mulheres.
Para se atingir o êxito de um negócio, deve haver persistência e força empreendedora, além da necessidade de capital financeiro para se investir. “Não se pode falar de empreendedorismo se não haver vontade e meios financeiros para investir, que devem surgir da herança familiar, de empréstimos bancários e de outros programas.
As mulheres, disse, procuram desenvolver as acções empreendedoras em que estão vinculadas, como forma de criarem riqueza nas famílias, como a saída da pobreza das famílias.
O terceiro e último tema, que abordou sobre os cuidados femininos na prevenção das doenças transmissíveis sexualmente e cancros da mama e do útero teve como prelectores Reis Jacinto do Nascimento e Rita Câmia, enfermeiros da Maternidade Provincial do Cuanza-Sul. O primeiro orador falou das modalidades para a prevenção das doenças transmitidas sexualmente, apontando o aconselhamento das jovens no seio familiar sobre as implicações da sexualidade, o uso de preservativos e a fidelidade, como sendo as balizas que podem reduzir o contágio das enfermidades nas famílias e nas comunidades.
Rita Câmia Miguel encarregou-se de abordar o subtema sobre os cancros da mama e do útero, tendo adiantado que a prevenção passa por um conjunto para observância de  medidas a tomar. Entre as precauções e medidas, apontou as consultas de rastreio, o adequado regime alimentar, auto-exame caseiro e exames de mamografia nas instituições hospitalares.
Abster-se de drogas, realização regular de testes de Papa Nicolau, seguimentos das alterações fisiológicas do órgão feminino e do organismo em geral foram apontados como sendo outras formas de prevenir os cancros da mama e do útero.
As mulheres das igrejas ligadas à AEA dedicaram orações a favor das eleições gerais, de 23 de Agosto do corrente ano, onde a tónica dominante foi de toda a população assumir uma atitude cívica, coabitação na diferença e harmonia social.
Pediram aos autores políticos para proferirem discursos que promovam a paz e concórdia no seio da população, independentemente da ideologia política de cada um, salientando que os interesses nacionais sobrepõem-se aos dos partidos políticos.

Bênçãos a favor das eleições gerais
Debate em plenário


As mulheres das igrejas ligadas à AEA dedicaram orações a favor das eleições gerais, de 23 de Agosto do corrente ano, onde a tónica dominante foi de toda a população assumir uma atitude cívica, coabitação na diferença e harmonia social.
Pediram aos autores políticos para proferirem discursos que promovam a paz e concórdia no seio da população, independentemente da ideologia política de cada um, salientando que os interesses nacionais sobrepõem-se aos dos partidos políticos.
Depois de apresentados os temas, as mulheres das diferentes igrejas filiadas na AEA e convidados apresentaram os seus pontos de vista sobre a importância dos temas apresentados por diferentes
prelectores. A chefe de departamento para a promoção, Evalina Tcheia, considerou que a conferência foi proveitosa, na medida em que propiciou aos participantes o aprendizado sobre as matérias candentes da actualidade. Evalina Tcheia defendeu a promoção de mais eventos do género para que as mulheres cristãs e no geral, possam ter uma atitude proactiva e serem agentes para o desenvolvimento económico e social do país.
O presidente da Comissão Provincial do Cuanza-Sul da Aliança Evangélica de Angola, pastor José Joaquim Maneco, fez uma avaliação positiva do evento, sobretudo no capítulo da intervenção dos prelectores, e anunciou que a comissão vai estudar os mecanismos para  a realização de seminários de capacitação das mulheres filiadas nas igrejas, sobre matérias ligadas ao empreendedorismo.
Às mulheres participantes, apelou, no sentido de transmitirem nas comunidades em que estão inseridas as matérias aprendidas durante a conferência.

Tempo

Multimédia